07 junho 2008

Passeios à Praia Amélia no início da década de 50






























Passeio a uma pescaria nos arredores de Moçâmedes, a Pescaria de João Duarte, na Praia Amélia, praia a 5km/sul do centro da cidade.
Na 1ª foto, reconheço, no topo, ao centro, Elisa Romão Veiga. No 3º degrau a partir de cima, e da esq. para a dt: Noémia Bagarrão Pereira (Cócas), Violete Velhinho, e as três mais à dt., de chapeu, Marizette Veiga, Maria Enília Ramos e Olímpia Aquino, todas moradoras na altura, no Bairro da Torre do Tombo. Embaixo, à esq., reconheço apenas Rui Bauleth de Almeida, o 1º à esq., sentado no degrau.

Na 2ª foto, em 1º plano, Maria Emilia Ramos passeando de motorizada sobre as areias soltas da Praia Amélia. Ao fundo e à dt., de chapéu, sentada na areia da praia, reconheço Aninhas Gouveia. Mais ao fundo, a pescaria de João Duarte e respectivos giraus (tarimbas) onde secavam o peixe.


Era comum na época, em Moçâmedes, juntarem-se grupos de famílias e amigos no Verão, aos domingos, em almoçaradas na Praia Amélia. Logo pela manhã cedo partiam as carrinhas que carregavam na carroceria uma boa dúzia de pessoas, de pé, cabelos ao vento, por vezes mal acomodadas, mas felizes, na expectativa do dia agradável que as esperava. Descarregadas as panelas, tachos, pratos, talheres, toalhas, caixas com fruta, legumes, bebidas, etc., as manhãs eram destinadas a banhos de mar nas águas cristalinas e nem sempre calmas com que a Praia Amélia brindava os habitantes da terra. Estes passeios tinham o seu ponto alto à hora da reunião do grupo à volta da mesa para o almoço, que, na maior parte dos casos se traduzia numa boa caldeirada de peixe acabado de pescar pelos homens do grupo, alí mesmo por perto. A corvina prestava-se muito a este tipo de refeição, que muitas vezes levava, em vez de azeite, o óleo de palma, para além do imprescinsível piri-piri... O acompanhamento era à boa maneira africana, uma «piroada» de farinha de milho amarelo. Era de comer e chorar por mais! E se a caldeirada em vez de corvina, fosse de barbelas de corvina, tanto melhor. A variedade de peixes também era uma opção.

Esta prática já vinha de tempos idos, quando não existiam carros em Moçâmedes e o transporte eram as embarcações.
Escusado será dizer que havia gente que enjoava no caminho, e por vezes estragava a sua festa. A partir da década de 60, a prática das almoçaradas na Praia Amélia caiu em desuso, ficando delas a grata recordação de insquecíveis momentos de convívio que mobilizaram durante décadas gente todas as idades, familiares e amigos.

1 comentário:

Anónimo disse...

a pequenita sou eu Vina Almeida no colo da minha avó Francelina mãe do júlio de Almeida que tirou a foto,
Do lado direito estão os meus primos,a Julieta Costa Santos,a seguir o rapazito Carriço,o Oswaldo Sampaio Nunes ,o meu tio Zeca Pestana, o meu avô josé pestana ao lado a irmã dele Maria Pestana( avó maria) e por de trás a minha mãe Lita Pestana.

Enviar um comentário