20 julho 2008

Moçâmedes, Ponta do Pau do Sul, Canjeque. 1956



A vista da cidade de Moçâmedes a partir da Ponta do Pau do Sul era um espectáculo digno de se ver embora esta foto, a preto e branco e tirada com máquinas antigas, não o mostre. Aqui estou eu e  as duas amigas do peito Betinha e Gracietinha Bagarrão...

Recordo como nesse dia e em outros mar azul de Moçâmedesme entrava nas profundezas da alma, a tal ponto que ainda hoje, passados que foram 32 longos anos, é a olhar o mar que me sinto bem.. O local é um autêntico miradouro sobre a cidade! Ano 1956


 

Amilcar Almeida e as manas Betinha e Gracietinha Ilha Bagarrão observam o mar de Moçâmedes, do topo da falésia,   numa zona entre a Ponta do Pau do Sul e o Canjeque...
 
 [Canjeque+e+P+Amelia.jpg]

Olhando do cimo da Ponta do Pau do Sul, para o mar e para a esq,  vemos o Canjeque... Esta era a zona onde o mar era mais calmo e excelente o fundeadoro..
http://2.bp.blogspot.com/_QN04x6AzKRw/SH4NX-Ta5vI/AAAAAAAAI1k/CbMhzIb5Txo/s400/Calemas%2BMo%C3%A7%C3%A2medes.jpg
Para além do Canjeque, a olhar a Praia Amélia, ter uma pescaria alí com ponte e as instalações de salga na base da falésia rochosa e em cima do mar, era uma ventura! Em 1955, data em que esta foto foi tirada, fustigantes "calemas" desmantelaram pontes e destruiram instalações...
 
 
Até 1950 quem subisse à falésia da Torre do Tombo, a caminho da Ponta do Pau do Sul, era esta a vista que tinha sobre a cidade...Em 1954  já todas estar pescarias haviam sido demolidas para darem lugar ao cais comercial...e à ARAN!
 
 
 
 
NAMIBE

Por tê-lo assim tão perto,
A areia deste deserto
Enamorou-se do mar.
E viver ardente, corada
Por sentir-se desejada
Desejada sem se dar.

Angola 1968

Concha Pinhão (Do livro de poemas «Sabor Amargo»

Sem comentários:

Enviar um comentário