31 agosto 2008

Prova de Karting em Moçâmedes: 08 de Março de 1968, integrada nas Festas do Mar. Outras provas. Outas modalidades




Prova de Karting em Moçâmedes: 08 de Março de 1968

Prova de Karting em Moçâmedes: 08 de Março de 1968


Prova de Karting em Moçâmedes: 08 de Março de 1968






Provas de Karting realizadas em Moçâmedes em 08 de Março de 1968, junto ao Colégio das Madres e Parque Infantil, como se pode verificar facilmente pelas fotos.


1ª foto. Antes do início da prova : Mário João, Costa Abrantes, Pio Riscado, Quelhas, Vitor Rafael, Mestre Cardoso.

2ª e 3ª fotos: Panorâmica das provas.

4ª foto. Costa Abrantes (Jorginho) recebendo o prémio do 3º lugar da prova
.

5ª foto: Os três primeiros classificados; 1º Francisco Figueiredo (Luanda), Pio Riscado, Costa Abrantes (Moçâmedes).
Créditos de texto e imagens:http://mazungue.com/



 
Moçâmedes. No Bairro Heróis de Mucaba
 
Moçâmedes.  No Bairro Herois de Mucaba
 
Moçâmedes. No Bairro Herois de Mucaba








Gente de Moçâmedes















Fica aqui para quem conheça a recordação destas três senhoras de Moçâmedes (década de 50): Olívia Agostinho, Delfina Godinha Fernandes e Florinda Jardim.

Corrida de «Carros de Sabão», por alunos da Escola Industrial e Comercial Infante D. Henrique, de Moçâmedes: 1966






4ª e 5ª fotos: Momentos das provas de velocidade e de perícia efectuadas na descida da Fortaleza de Moçâmedes.

6ª foto:
Presentemente, um destes carros de sabão numa das salas da Escola Comercial e Industrial Infante D. Henrique, na cidade do Namibe.
   


-------------------------------------------------------

Sanzalando em Angola
Tem que não tem 16-01-2004 11:48 Forum: Liceu Américo Tomás


Na oficina da rua das Hortas, naquela que tem machimbombo que parte para Porto Alexandre, deslembrei mesmo o nome, tá no ponta da língua, assim como o mecânico a dar para o gordo e mulato da cor, arranjei os rolamentos que tanto queria para fazer o meu carrinho. Desci mais um pouco a rua para comprar pregos na Casa Santos. Ninguém lembra mesmo onde era esta casa? Tem nome que lembra todo o mundo - Passa Fome. Sim esse mesmo que punha 5 litros de gasolina naquele carro que parecia americano de tão grande antigo que era, e mais cinco num garrafão para voltar quando ia passear ao domingo com a família. Me disseram, nunca soube se era verdade mas também nunca tive que interesse em confirmar. Mas que assim lhe chamavam eu tenho certeza mesmo certa. Comprei meus pregos e vi que estava pronto para fazer o melhor carro de rolamentos do mundo. Desta vez mesmo que vou bater aqueles gajos na descida.
Olha, ainda vou no Pires Correia comprar comprar Chita para minha mãe fazer um vestido para a mana, que tem festa e tem concurso como todos os anos. Mas já sei que é comprar só por comprar que minha irmã vai dizer no dia que não entra. Tem que não tem é sempre assim.
Me lembrei que já que estou aqui em baixo vou mesmo perto do matador ver os amigos Beleza que parece que está com gripe.
Tem mesmo que não tem assunto para conversar. Cidade pequena não passa nada. As menina que a gente gosta num olha mesmo para a gente e aquelas que a gente não gosta também. Puto sofre na cidade onde nada tem que não tem. Me deixa só crescer e vais ver que tudo vai ser como que diferente mas muito igual. Já agora que estou na filosofia vou mesmo lá no Horto ver o crescer das flores que são boas de bonitas.
Em vez de fazer o meu carro de rolamentos vou fazer um 'Carro de Sabão' para bater os gajos da Escola Industrial que têm mania que são melhores que os do Liceu. Mas que sou puto num vão deixar eu correr. Os outros mesmo que façam. Fico pelas corridas da Rua dos Pescadores. Dá cabo dos sapatos pois os tacões é que são os travões, as o Estregildo que põe novos depois da mãe dar o ralhete quinté tou habituado.
Tem que não tem mas num passa nada, nem chuva passa aqui 
in Sanzalando

29 agosto 2008

O busto de Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, nos jardins da Avenida da Praia do Bonfim em Moçâmedes, a actual cidade do Namibe





































O busto de Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro nos jardins da Avenida principal de Moçâmedes, a Avenida da Praia do Bonfim, que aqui nos surge no seu esplendor diuno e nocturno, tendo a encimá-la o Palácio da Justiça e a fonte luminosa ladeada por suas elegantes gazelas, símbolo do Deserto do Namibe. Na última foto, actual, podemos ver a coluna mas já sem o busto. Segundo informações o busto e o óleo de Bernardino encontra-se no Museu etnográfico da cidade do Namibe, sito no antigo edifício da familia Torres, por detrás da Alfândega, na antiga Rua dos Pescadores.




SOBRE BERNARDINO 

«....Em 1848, o nosso Império no Brasil vivia horas de indizível agitação: Na cidade de Pernambuco estalara a revolução política. O ódio e a perseguição manifestaram-se de imediato, fazendo sofrer as mais indignas crueldades e degradantes humilhações a compatriotas nossos que ali procuravam ocupação. É, então que, oprimidos cada vez mais, concebem o projecto de fundar em África uma colónia agrícola que possa valorizar o património nacional. Assim Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, que mais tarde seria o chefe do primeiro colonato, fica incumbido de apresentar ao Governo Português o arrojado empreendimento que se propõem levar a efeito. Pedem informações detalhadas de relatórios, de memórias e de mais documentos para que pudessem avaliar da região mais apropriada para se instalarem. Pedem, igualmente, auxílio financeiro ao Governo para custear a sua deslocação e aquisição de engenhos para fabrico de açúcar.

Com o empenhamento de Simão José da Luz Soriano, chefe da repartição de Angola no então Ministério do Ultramar, junto do Ministro - O Visconde de Castro - , é então garantido todo o auxílio e facilidades necessárias àquele arrojado empreendimento.

A verdadeira ocupação desta parcela e, por conseguinte, do que nela se ergueu, deve-se assim e indubitavelmente, à impulsiva decisão, inteligência e heroicidade patriótica daquele que jamais será esquecido saudosamente pelos moçamedenses, Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro que, em 13 de Julho de 1848, enaltecido do espírito de demandar terras de África e animado por uma conta de sem recuo endereçou uma carta ao ministro e secretário de estado dos Negócios da Marinha e Ultramar da Nação Portuguesa, escrita em Recife de Pernambuco, onde se pode ler:



«...Eu, que livre de orgulho, afirmo poder seguir para onde me conviesse, sacrifiquei-me a esperar, a ir compartilhar dos trabalhos e reveses que acompanham o estabelecimento de uma colónia, só porque vejo que coligo acarreto algum número, mormente dos mais úteis, que são os que entendem do fabrico dos açucares e plantação de canas e mesmo do tabaco e café pois que vivo em relação a muitos engenhos, tendo neles arranjado vários, e hei-de dedicar-me a conhecer com fundamento o modo mais profícuo de fazer açúcar, de agricultar a cana com vantagem, segundo a natureza do terreno e a tirar da matéria prima toda a possível utilidade, mormente com as destilações que, bem dirigidas, são de sumo interesse. Vª Exª desculpará na certeza de que não o faço porque não esteja persuadido do seu profundo saber, mas porque muitas vezes a lembrança de um homem medíocre faz produzir medidas acertadas».


Modéstia! Bernardino não era um homem medíocre. Era um homem de extraordinária visão. Um grande português da estirpe dos «barões assinalados», cujo nome a história registaria com orgulho. Um portugues, que, já nessa altura defendia a tese de que a emigração do País deveria ser canalizada para as suas possessões ultramarinas.


Felizmente que a petição de Bernardino foi atendida. A Portaria nº 2063 de 26 de Outubro de 1848 dizia: «Tenho um grande número de cidadãos portugueses residentes na Província de Pernambuco, no Império do Brasil, feito constar a sua Majestade a Rainha, que desejavam passar para algum ponto das possessões portuguesas, houve por bem em Portaria desta data, mandar expedir providências necessárias para a passagem dos mencioinados portugueses para o lugar das possessões portuguesas em África que por eles for escolhida.»


Em 29 de Março de 1849, o Governador Geral de Angola -Adrião Acácio da Silveira Pinto- informava o Ministro da Marinha e Ultramar de ter sido escolhida a província de Angola e o estabelecimento de Mossãmedes para a formação da colónia.


Em 23 de Maio do mesmo ano, cento e oitenta colonos (116 homens, 39 mulheres e 25 crianças), com Bernardino a chefiar, deixam Pernambuco, rumo a Mossãmedes, embarcando na barca brasileira «Tentativa Feliz» e no brigue de guerra «Douro». Foi de facto uma tentativa feliz.


Bernardino faz assim a descrição dessa viagem aventurosa:
      «...Foram os brasileiros quem fez lembrar aos portugueses que escusavam de melhorar terras alheias, quando tinham ainda muitas suas onde podiam procurar fortuna sem sofrerem insultos. E não pareça que é exagero, não, que lá está o dia 23 de Maio deste ano - dia em que o brigue de guerra «Douro», comboiando a barca «Tentativa Feliz» que a seus bordos conduziram 180 colonos, saiu do porto do Recife, à vista de numerosíssimo povo, para falar tão alto, atento o número de testemunhas, que bem se pode aplicar a este respeito o que sobre outrora disse o nosso sempre admirável Camões:
«Estão pelos telhados e janelas
Velhos e moços, donas e donzelas...»


  Levando consigo máquinas, instrumentos rurais e seus haveres, e até para nada lhes faltar, víveres para os primeiros tempos, era de pasmar ver aquela gente sair de uma bela cidade, divisando-se no rosto de todos a maior alegria, mesmo sabendo que trocavam uma habitação cómoda e divertida, para irem desembarcar num areal, onde o seu primeiro cuidado seria o de edificar uma cabana para se abrigarem das injúrias do tempo. A todos se ouvia dizer, ao desaparecimento da terra, o que Castilho disse nos seus «Ciúmes de bordo»:
«Sumam-se à vista
Os últimos oiteiros
Dessa terra falaz...»


  E se sofrimentos houveram na viagem, nem por isso se ouviram queixas. Algum génio mau quis apurar-lhes a paciência: ventos contrários e bonançosos, com repetidas calmarias, tornaram a viagem longa; todos os colonos iam mal alojados e a epidemia das bexigas desenvolveu-se a bordo, chegando a haver, simultaneamente, 56 doentes, entre colonos e a tripulação. Três adultos e cinco menores pereceram. Não havia facultativo: para os atender tanto exerciam tais funções o encarregado de governar a colónia como o capitão da barca, coadjuvados por um barbeiro e dirigidos por um cirurgião do «Douro» - Francisco António Chagas Franco - o qual logo que da barca se fazia sinal de que era necessária a sua visita, vinha a bordo. Veio quatro vezes com tal prontidão e tão boa vontade que ão sei qual possa elogiar-se mais , se ele em vir, se o comandante em o mandar.


  No dia 1 de Agosto entrou em Mossãmedes o Brigue «Douro» e, no dia 4 do mesmo mês, a barca «tentativa Feliz». com 74 dias de viagem. Os colonos vêem outra vez realizado o que o nosso poeta disse outrora aos seus heróis ascendentes:
«Já sois chegados, já tendes diante
A terra de riquezas abundante...»


Enquanto os colonos e os majores Horta e Garcia se instalavam e examinavam os terrenos aptos para a agricultura, Bernardino seguiu, no dia 16 do mesmo mês, a bordo do brigue «Douro», para Luanda, a fim de se avistar com o Governador Geral. Chegado no dia 22, ali se demoraria cerca de dois meses. O Governador recebeu-o «com as mais decididas provas de contentamento, que igualmente foram manifestadas por todas as autoridades e habitantes da cidade.»
E Bernardino termina o seu relato:


   «Esta empresa bem se pode chamar das incredulidades desfeitas, portanto:
1º) Parecia inacreditável que houvesse quem representasse o Governo de S. M. , porque muitas vezes haviam acontecido no Brasil casos iguais aos dos dias 26 e 27, e nunca houve o menor movimento: mas alguém representou.
2º) Parecia inacreditável que o Governo  pudesse mandar navios para proteger os seus súbditos: mas mandou.
3º) Parecia inacreditável que ele pudesse fazer despesas para coadjuvar e transportar para as possessões africanas os que para elas quisessem seguir: mas pôde.
4º) Parecia inacreditável que houvessem colonos que se arriscassem a vir para África, depois do que havia acontecido a outros: mas houve.
5º) Parecia inacreditável que em Mossãmedes houvessem providências tomadas para a recepção do colonos, atentos ao pouco tempo e ao estado financeiro da província: mas houve.
6º) Parecia inacreditável que houvessem bons terrenos n local escolhido: mas houve.
Resta ainda uma incredulidade a vencer, a qual afecta a todos e vem a ser: se com efeito desta vez se montará a agricultura nesta velha parte do mundo antigo de forma a que se lhe façam trajar as galas de uma bela jovem; eis o que a breve espaço de um ano há-de resolver, no fim do qual se poderá dizer como Camões:
«Que verá tanto obrar tão pouca gente...»


Pelos seus incontestáveis méritos Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro é leito, por maioria de votos, em 14 de Outubro de 1849, para o Conselho Colonial de Mossãmedes. Esta qualidade reforça o prestígio do ousado português. Todos lhe obedeceram. Todos o reconhecem como chefe. Todos acatam, esperançadas as suas ordens. pelos colonos são distribuidos os terrenos incultos do rio Bero. Escolhe-se o Vale dos Cavaleiros para instalação de engenhos agrícolas. Começa o «fervet opus», como diz o próprio Bernardino:
  «É um bulício. Todos edificam casas na povoação que escolheram para habitar: outros nas faldas da serra dos Cavaleiros (de basalto laminado) no sítio chamado dos Namorados e que dista uma légua; outros roteiam terras nas hortas, outros no sítio da Olaria, onde se vai fazer tijolos e telhas; outros na Várzea da união, duas léguas longe dali; outro no fim co vale dos Cavaleiros, que dista três léguas e que é onde se vão levantar os primeiros laboratórios sacarinos: lá se vê um carro carregado de caibros (barrotes de madeira), ali pretos conduzindo junco e tábua, acolá as autoridades, montadas em bois, percorrendo e medindo os terrenos: noutra parte se quebra a pedra que se vai carregando juntamente com o barro; as paredes para as casas crescem visivelmente; a capela de Santo Adrião antes de um mês ficará ponta de paredes; enfim, ou antes de pouco tempo teremos de ver Mossãmedes uma sofrível povoação, e seus arrabaldes bem agricultados, ou se ficará o «mons parturiens» do velho Fedro».


A sua objectividade sensata e clássica de escrever é própria de um Grande português, de um Grande Chefe. Embora tudo pareça estar a correr de feição, a ele e aos colonos, para ele não era bom sinal que assim estivesse. Sempre os reveses estão na génese dos grandes cometimentos. Graves dificuldades surgiram. primeiro a inadaptação dos colonos. Depois a estiagem de longos meses. As sementes não seriam das melhores, nem haviam sido lançadas á terra na altura mais propícia. a terra, habituada á preguiça da infecundidade, negava-se a produzir. O desalento instala-se na alma dos colonos.


É então que Bernardino houve como Moisés relativamente ao seu povo «  Antes fossemos mortos em terras de Pernambuco, quando estávamos sentados junto às panelas das carnes e comíamos pão com fartura. Porque nos trouxeste a este deserto , para matar á fome esta multidão?». É neste transe difícil que se revela a indomável força de vontade de Bernardino, e sua certeza de vitória. No meio do seu povo exclama: «Só será salvo o que preservar até ao fim!»


Por esta altura, uma colónia composta de 145 emigrantes portugueses, sob a direcção de José Joaquim da Costa, deixa o Brasil a 13 de Outubro de 1850 e chega a Mossãmedes a 26 de Novembro do mesmo ano. A esta gente se fica a dever parte do êxito agrícola que a partir daí se obteve, pelo grande ânimo que deu aos primeiros colonos, unindo-se-lhe com vivacidade.


Não tardou que outros se viessem juntar, provenientes, especialmente da ilha da Madeira (220 a bordo do vapôr Índia, chefiados por D. José Augusto da Câmara Leme), já que desta mesma origem era avultado o número dos que se achavam nas terras do planalto do Lubango, dada a conhecida fertilidade do seu solo a par do seu óptimo clima, em nada diferente ao da sua ilha.


Mais tarde sucederam-se-lhes outros vindos da Metrópole. O fluxo mais importante , sob o ponto de vista piscícola, foi o dos povos do Algarve, por lhes ter chegado ao conhecimento, quanto de rico em peixe era o seu mar e até, quanto mesmo era de bonançoso e nada de temer. Sabiam-se conhecedores das artes de pescar e das que pensavam em vir a instalar ali. Levaram consigo os aviamentos de pescar com linhas de certa robustês, anzóis de vários tipos para a pesca de pequenos e grandes peixes, não só da superfície como do fundo, chumbadas, roletes de cortiça, cabos de variadíssimas espessuras e até modelos de covos para aprisionar polvos, chocos, caranguejos do fundo (tipo santola), lagosta, etc. etc.


Mas o tempo impiedoso corria célere. A pesca restringida a uma simples rede que não ia além de cem braças de comprimento e alada de terra a pulso estava só a dar o bastante para o consumo do povo do colonato. Havia que aumentar a quantidade de pescado para que também viesse a dar para abastecer o interior e até os povos dissiminados pela vizinha província da Huíla.


A ânsia de progredir estava no ânimo de todos. Os pequenos barcos que ali existiam não satisfaziam. Havia que aliciar construtores navais que para ali viessem instalar os seus estaleiros, de maneira que ali construissem barcos idênticos aos que no Algarve eram utilizados na várias redes e pescar.


A convicção do entusiasmo convence outros conterrâneos. Prestaram-lhes as informações precisas das madeiras necessárias para as estruturas a construir (esqueletos, braços, quilhas, etc.) que ali teriam em abundância e que a mulemba (Ficus psilopoga) lhes poderia fornecer a contento. Somente teriam de trazer tábuas de pinho, das medidas que achassem indicadas, para barcos de 10 a 15 toneladas. Como complemento teriam de trazer estopa, breu, cavilhame, sebo, tintas e em suma, tudo quanto achassem de trazer, sem esquecer lonas para as velas, fios de cozer, agulhas para palomar, cabos para guarnecer as mesmas e para as adriças, ostagas, amuras, cabeleiras para as prôas, etc. etc.


E foi ssim que, cheios de entusiasmo, esperança e fé, se trasferiram, do Algarve para Mossãmedes, os conterrâneos construtores navais, por sinal de grande prestígio. De distinguir o primeiro - Manuel Simão Gomes - a quem os petizes chamavam de avô Leandro e que instalou um estaleiro junto da praia, perto de uma escola primária, pertencente D. Maria Peiroteu, dentro da baía, a uns escassos passos da Fortaleza S. Fernando. O segundo, José de Sousa - conhecido por José de Deus - (como atrás referido) - acompanhado pelo calafate João de Pêra, estabeleceu-se numa das praias junto do morro da Torre do Tombo.


Em 1856, com a existência de 36 casas de pedra e 8 de adobe, que albergavam parte da população, nasce o Município de Mossãmedes.
Terá de reconhecer-se que foi às primeiras colónias de emigrantes de Pernambuco que se ficou a dever o verdadeiro incremento do local conhecido por Mossãmedes. A glória de não só haverem erguido um Distrito que se notabilizou, como também pel facto de terem iniciado, a preceito, a agricultura da região: horticultura, fruticultura, cultura de algodão, cana sacarina para produção de açucar e à industrialização de pescado. também é de reconhecer que foi aqui que nasceu a primeira tecelagem da Província, embora só com um fuso, para o fabrico de tecido grosseiro dada a qualidade das fibras ao seu alcance.


Segundo Duarte Pacheco. à medida que se progredia para sul da costa africana, esta ia-se tornando cada ve mais escassa em arvoredo e em moradores. Nas alturas de entre Porto Alexandre e a Baía dos Tigres a          «terra eh baixa & maa de conheser» e mais adiante a navegação costeira torna-se difícil.  Nestas paragens pacheco refere a existência de «gente pobre que se nom mantem nrm uiuem senom pescaria» e que esses negros faziam «cazas com costas de baleas cobertas com seba do mar» lançando-les por cima areia «& aly passam sua triste uida».


In: Memórias de Angra do Negro - Moçâmedes- Namibe (Angola) desde a sua ocupação efectiva de  António A. M. Cristão
.........................................................
PERNAMBUCO E ANGOLA


...«A história da emigração para Angola de grande número de portugueses residentes em Pernambuco, em 1849 e 1850, ainda não está conhecida com pormenores, embora existam alguns trabalhos a respeito. O episódio está ligado à campanha anti-lusitana que precedeu a Rebelião Praieira.

A campanha não limitou-se, como é sabido, a violentos artigos de jornal, mas foi até à agressão física e ao assassínio de portugueses. Em 13 de julho de 1848, um dos portugueses fixados em Pernambuco, Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, dirigiu um memorial ao governo de Portugal descrevendo a situação dos seus compatriotas aqui e informando que muitos deles estavaminteressados em transferir-se para outro sítio, onde fundassem uma colônia.

Era então ministro do Ultramar o historiador Simão José da Luz Soriano que se interessou em atender o pedido, indicando a região de Moçâmedes, no Sul de Angola, como local para se fixarem. De Portugal foram mandados, para garantir os portugueses do Recife, dois brigues de guerra, Douro e Vila Flor, e instruções para facilitar a transferência e o estabelecimento dos emigrantes naquele lugar.

O Diario de Pernambuco de 31 de janeiro de 1849 publicou um edital, datado de 29, pelo qual o Cônsul de Portugal, Joaquim Batista Moreira, como presidente de uma comissão especial (criada no Recife em 26.XII.1848 e composta de B. F. F. de Abreu e Castro, Ângelo Francisco Carneiro, Bernardo de Oliveira Melo e Miguel José Alves, secretário), comunicava que o governo concedia as seguintes facilidades a todos os que se quisessem transferirpara a África : passagem e sustento à custa do Estado, inclusive às famílias; transporte para móveis e objetos pessoais; "instrumentos artísticos ou agrícolas e de quaisquer sementes"; terrenos na colônia a ser fundada e ummensalidade durante os 6 primeiros meses após a chegada ali. Pouco depois foi nomeado (19.1V.I849) em Portugal o Capitão de fragata Antônio Sérgio de Sousa (depois Visconde de Sérgio de Sousa, avô do ilustre escritor Antônio Sérgio), governador da Colônia a ser estabelecida em Moçâmedes. 


Aqueles dois brigues portugueses prestaram inúmeros serviços durante o ataque ao Recife pelas forças do Praieiro (2.II.1849), recolhendo a bordo, os seus oficiais, sem distinção de nacionalidade, muitas pessoas que e tão surpreendidas de susto e de terror buscavam auxiliar-se ali, ou na sua aflição iam, inda que a seu pesar, precipitar-se nas ondas que banham as praias e cais desta cidade", diz um agradecimento de J. A. S., no Diario de 10.II, seguido de vários outros, no mesmo jornal de 15 e 16.II.1849.

Do brigue "Douro", conserva-se o "livro de quarto" referente a 1848-49, no Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, Arquivo de navios, códice 1.192, que não me consta tenha sido aproveitado, como aliás muitos outros documentos a respeito, existentes naquele Arquivo. O ataque ao Recife apressou a partida dos emigrantes. No Diario de Pernambuco de 27.II.1849 começaram a aparecer notícias de pessoas que partiam (exigência da Polícia para permissão de embarque). No Diario de 27 são 7 os nomes; no de 19.III são 10; no de 2.IV são 22; no de 12.IV são 23 e no de 4 são 16. No dia 15 de maio apareceu o de Abreu e Castro: "Retira-se para Moçâmedes o cidadão português Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, levando em sua companhia 3 criados. Qualquer conta que deva na praça pode ser apresentada no seu escritório da rua da Cadeia Velha n. 3... e aqueles que lhe devem contas, mesmo ainda do tempo que dirigiu o colégio Santo Antônio, querendo pagá-las, ali podem dirigir-se". BIBLIOTECA VIRTUAL José Antônio Gonsalves de Mello · http://www.fgf.org.br/bvjagm Proibida a reprodução sem prévia autorização.

Fonte: MELLO, José Antonio Gonsalves de. Diario de Pernambuco. Recife, 15 abr., 1956




....................................
O FUNDADOR DE MOÇÂMEDES


A 23 de Maio de 1849, finalmente a concretização do projecto. Partia de Pernambuco, a barca "Tentativa Feliz" e o brigue da marinha portuguesa "Douro" com 166 portugueses a bordo, rumo ao estabelecimento de Moçâmedes, na Província de Angola, então província do reino de Portugal. Na viagem, sucumbiram, com bexigas, 3 adultos e 5 crianças.

Após 73 dias de viagem chegam ao destino. Entram na baía de Moçâmedes e avistam um vasto areal servido por um rio seco, o rio Bero, que mais tarde Bernardino chamou de Nilo de Moçâmedes, porque na época das chuvas a água das enxurradas invade toda a terra, trazendo os fertilizantes naturais para novas sementeiras, num microclima temperado. Era ali que os novos colonos íam reconstruir as suas vidas em tranquilidade, em paz e em território pátrio. Era o dia 4 DE AGOSTO DE 1849, que ficou na História como o dia da FUNDAÇÃO DE MOÇÂMEDES.

Houve recepção de boas vindas, discurso oficial pelo governador do distrito na presença das autoridades tradicionais: sobas Mossungo e Giraúl. Ficaram alojados em barracões construídos de pau a pique, cobertos de palha e amarrados com mateba ou cordas de cascas de árvores. No dia seguinte foram conduzidos às áreas agrícolas onde foram distribuídas as terras. Bernardino seguiu para Luanda no dia 16 de Agosto afim de apresentar cumprimentos ao governador geral.

No dia 21 de Outubro foi a instalação, no Vale dos Cavaleiros, dos engenhos de açúcar: às 7 da manhã içou-se, no local, a bandeira portuguesa, na presença do governador do distrito, com uma salva de 21 tiros. A maior parte dos colonos ali compareceu e houve arraial com largada de foguetes. Almoçaram e jantaram em barracas improvisadas.

Bernardino ergueu a sua habitação no Sítio da Bandeira, (designação que ficou na tradição popular), no Vale dos Cavaleiros.No dia 13 de Outubro foi investido num cargo no Conselho Colonial de Moçâmedes. Faz viagens de estudo, contacta sobas, colabora com as autoridades, sobe a Chela, entra na Huíla, visita a lagoa dos cavalos marinhos, que fica a 4 léguas ao norte de Lopolo, onde os rios gelam em Maio e Junho. Já lá existem alguns colonos. Outros irão fixar-se noutras áreas do planalto da Huíla em consequência do estudo feito. Uma vida de líder, de rija têmpera, apostado em tudo fazer pela "sua" colónia.

Mas a natureza não se compadeceu dos recém-chegados. Uma estiagem de 3 anos secou as terras, perdendo-se todas as sementeiras. A 1ª. colónia luta com falta de tudo, desde alimentos a vestuário. A situação é desesperada. Alguns opinam mudar a colónia e comentam: "Antes fôssemos mortos em terras de Pernambuco, quando estávamos sentados junto às panelas cheias de carne e comíamos pão com fartura, do que padecer com fome neste deserto." Bernardino mantém-se firme e lança a máxima: "Vence quem perseverar até ao fim".O governador do distrito oficia a desesperada situação dos colonos. Há um intenso movimento de solidariedade em Luanda e em Benguela, promovido pelas respectivas câmaras municipais. Os víveres, vestuário, dinheiro e outras ofertas chegam finalmente a Moçâmedes e tudo se vai normalizando.

Entretanto, em Pernambuco, os portugueses organizam, a expensas suas, uma segunda leva de colonos (125) para se dedicarem á agricultura em Moçâmedes, chefiada por José Joaquim da Costa. Viajam na barca Bracarense e no brigue Douro, da marinha portuguesa. Chegam a Moçâmedes no dia 26 de Novembro de 1850. Dedicam-se também à pesca. Lançam mão a pessoal conhecedor da técnica de escalagem e secagem do peixe que trabalhou na feitoria montada no estabelecimento pelo olhanense Cardoso Guimarães, 7 anos antes.
Bernardino reconhece que os colonos conseguiram vencer as adversidades e o deserto. São o maior exemplo de perseverança em toda a Província.Moçâmedes engradece-se ràpidamente e é elevada a vila por decreto de 26 de Março de 1855. Em 1857 já existem 16 pescarias onde trabalham 280 escravos. Ao festejarem o décimo aniversário da chegada da colónia, no dia 4 de Agosto de 1859, verificaram a existência de 83 propriedades agrícolas nas margens do rio Bero, 3 no Giraúl, 2 no Bumbo, 3 em S. Nicolau, 1 no Carujamba, 3 no Coroca, 7 na Huíla.

Tinha-se materializado o sonho do Barão de Moçâmedes, Luz Soriano e Sá da Bandeira, de fixar populações nas regiões a sul de Benguela. Foi graças à liderança forte de Bernardino que esse desiderato foi possível. Mas havia uma outra luta que todos eles estavam empenhados: a abolição da escravatura.Bernardino não permite na sua fazenda mão de obra escrava. Bate-se pela abolição da escravatura. Escreve em 1857: "os poucos pretos com quem trabalho, podem hoje ser livres porque continuarão a ser úteis. Eduquei-os com boas maneiras e não com castigos bárbaros e por isso não me fogem e vivem satisfeitos. Não me agrada a distinção entre escravos e libertos, nem a admito na minha fazenda. Todos são agricultores com iguais direitos e obrigações". Em 1858 Portugal decretou que, passados 20 anos não poderia haver escravos; mas, 11 anos depois, em 1869, aboliu o estado de escravidão.

Sabe-se que Bernardino foi generoso para com os companheiros mais desafortunados. A sua casa fora uma espécie de hospedaria ao visitante. Bernardino faleceu pobremente, no dia 14 de Novembro de 1871. Tinha 62 anos de idade. Faleceu quando regressava de Luanda, onde tinha ído em serviço da comunidade. Causa da morte: uma pneumonia dupla. Não se sabe o local, no cemitério, onde foi sepultado. Memoriais: sòmente o grande quadro a óleo no salão nobre da Câmara Municipal e um busto muito simples no jardim, plantado cerca de 90 anos depois da sua morte. As autoridades portuguesas não prestaram a homenagem devida. Os sobas Mossungo, Giraúl, Moeni-Quipola e muitos outros deviam ter dado voltas nas sepulturas pela falta de reconhecimento das autoridades locais ao amigo que pugnou pela justiça e igualdade entre os povos e não admitia escravos na sua fazenda, porém quase ostracizado pelas autoridades da terra. O povo é que nunca o esqueceu e demonstrava-o nas competições interselecções quando a claque o invocava em uníssono BER...NAR...DI...NO, BER...NAR...DI...NO, para que a sua alma ajudasse a alcançar a vitória.

A história da vida de Bernardino irá perder-se como papéis imprestáveis nas prateleiras de algum arquivo. A guerra civil de Angola após 1974, entre os movimentos de libertação, criou uma nova diáspora em Portugal: a dos filhos de Moçâmedes. Nunca mais será invocado o seu nome na cidade que fundou. A população que o invocava e o respeitava já lá não se encontra a viver. Criou raízes em Portugal e só a visita para matar saudades da infância ou rever todo um passado deixado para trás. Acreditemos que em algum ponto do universo, exista plasmado, um registo eterno de vidas justas e verdadeiras de heróis humanistas, como foi a vida de Bernardino, para que a ciência um dia a possa trazer de volta e ajudar na concepção de um Homem novo que esta Terra tanto necessita.

Um dia visitou Moçâmedes um amigo da família de Bernardino. Esteve na Fazenda dos Cavaleiros. Um negro idoso apontou a ruína duma casa onde muitos anos antes teria vivido um branco. Não se lembrava do nome. Num alto, a ruína domina toda a extensão da terra, numa vigília constante de mais de uma centena de anos. É também o Sítio da Bandeira onde os colonos íam beber a Pátria Portuguesa, naquela terra adoptiva de Angola e onde foi sonhada uma cidade: a cidade de Moçâmedes, hoje cidade do Namibe da República de Angola.
Moçâmedes foi elevada a cidade em 1907, 36 anos após a morte de Bernardino.




publicado por Cláudio Frota em www.memoriaseraizes.blogspot.com




Para ler mais, clicar  AQUI

.............................................................


SOBRE AS FOTOS DESTA POSTAGEM
As três primeiras fotos mostram-nos o busto de Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, o fundador da cidade de Moçâmedes, numa altura em que a Avenida da Praia do Bonfim, ainda não possuia palmeiras, ou seja, nos finais da década de 50, início de 60. As três fotos seguintes mostram-nos o local onde o referido busto foi colocado, o local mais nobre da cidade, ou seja, a Avenida da Praia do Bonfim, que aqui nos surge em todo o seu explendor diurno e nocturno.


Sempre me fez confusão sobre qual o critério que teria levado as autoridades competentes darem o nome de Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro, a um rua de somenos importância,  perpendicular ao mar, que ligava a Avenida  da Praia do Bonfim à  Rua da Fabrica.

Quanto ao busto, como se pode ver pela 3ª, 5ª, e 6ª fotos, este foi arrancado da coluna que o suportava após a independência de Angola, restando apenas a coluna que o suportava. Hoje, o busto do fundador de Moçâmedes, bem como o quadro a óleo, repousam com outros espólios do tempo da colonização portuguesa, no interior de uma sala-museu, no edifício que foi da familia Torres  (onde durante muito tempo esteve o Hotel Central da familia Gouveia), sito na Rua dos Pescadores, por detrás da Alfândega.  Apraz registar aqui que ainda hoje as autoridades mantém o 4 de Agosto como o dia da fundação de Moçâmedes e continuam com a tradição das Festas do Mar.
.............

Encontrei na Net
esta passagem significativa das comemorações na cidade do Namibe do dia da fundação da cidade de Mossãmedes: 4 de Agosto:

«De Luanda partiu um voo com mais de 80 pessoas, que se integraram nas actividades locais de forma «alegremente contagiosa». Valeu a excursão, liderada por elementos que organizaram os festejos em 2005. Mas valeu mesmo foi a camaradagem entre todos os naturais e amigos do Namibe, residentes e não residentes, membros do Governo e cidadãos comuns que às actividades se decidiram juntar. Curiosidade foi um grupo de (novos) amigos que, ao saberem da excursão decidiram juntar-se a nós sem qualquer vínculo com a terra. Tanto quanto sabemos, foi uma ótima experincia tanto para eles como para nós, que esperamos sirva de exemplo para que Angola se (re)comece a descobrir.


No dia 3 houve debate acerca dos dias de ontem, hoje e amanhã, muito participativo e cheio de ideias apresentadas pelos jovens residentes no Namibe. Houve também missa, exposições e desfile de embarcações pesqueiras. Depois vale falar da festa de 4 para 5 no salão do Sporting, da Tertúlia na sede da Cultura e do Moio na Estufa Municipal. Nestes últimos participaram artistas naturais e amigos, tendo-se destacado de entre outros a Banda Odisseia, Akapanan, Bigu, Kangato... Ouviram-se poemas de Neco Manjericão entre outros, .... Namibe, Namibe, Namibe... cantaram muitos naturais e amigos, ...da minha saudade, cidade de Angola, Angola Nação (Raul Pequenino, para quem é desse tempo).

Quanto ao grupo de excursionistas, teve também a oportunidade de visitar a "Lagoa do Arco", e de entregar algumas ofertas recolhidas ao longo do ano. Para os detalhes da excursão, fica aqui um apelo aos mais "participativos" para que enriqueçam estas linhas. Contamos também com a publicação das fotos.

Um Kandando,

Maísa Tavares»
in NAMIBEONLINE

Ver também o site Mossãmedes do Antigamente




24 agosto 2008

Gente de Moçâmedes: 1957


Celisia Vieira Calão entre as manas Margarida Tavares (Guida) e Lurdes Tavares. As três haviam sido seleccionadas para representar Moçâmedes num camponato provincial de basquetebol feminino. 1957?

21 agosto 2008

Gente de Moçâmedes: anos 50




















1ª foto:
Zélia Moura, Suzete Freitas e Vera Freitas (a criança).

2ª foto:
Mais uma foto de uma família de Moçâmedes, gentilmente cedida por Vera Freitas.

Da esq. para a dt.: Maria Pestana, Xico Freitas, Padre Galhano, Fernando de Freitas e esposa, Lena Freitas, Suzete Freitas. Suzete de Freitas foi basquetebolista do Atlético Clube de Moçâmedes na década de 50. Clicar AQUI

Para ver mais sobre o padre Galhano, clicar AQUI
O padre Guilhermino Galhano que podemos ver na 2ª foto, com as suas longas barbas negras e as vestes brancas até aos pés, foi um padre moderno, apesar do seu aspecto tradicional, e uma
pessoa muito estimada em Moçâmedes, que descontraidamente, lado a lado com os meninos do catecismo, jogou futebol no terreno entre a Igreja Paroquial de Santo Adrião e o Palácio do Governador e chegou a alinhar pelo Ginásio Clube da Torre do Tombo, clube da época em relação ao qual se revelou um fervoroso adepto.

19 agosto 2008

Concurso de caninos no rink de patinagem do Parque Infantil







Concurso de caninos no rink de patinagem do Parque Infantil de Moçâmedes.

Na 1ª foto, Melita Parreira da Cruz, que se encontra dentro do rink, à esq. segurando o seu cão, um dos concorrentes, Sónia Madeira (fora do rink, à esq.) e também fora do rink, ao centro, António Marques da Silva (na altura proprietário de uma loja na Rua das Hortas, no gaveto defronte à Robert Hudson).


Na 2ª foto, apenas reconheço Mélita Parreira da Cruz, dentro do rink, à esq., e fora do rink
, Orlanda Cabeça (a 2ª à esq.). Pormenor engraçado na 2ª foto, o da criança tentando aproximar-se do cão para lhe fazer umas festinhas.

Fotos gentilmente cedidas por Mélita Parreira da Cruz

18 agosto 2008

A «Equipa maravilha» do Atlético Clube de Moçâmedes, tri-campeã de Angola
















Rodeada de adeptos que a aplaudiram efusivamente durante o jogo, eis aqui aquela que foi a famosa «Equipa Maravilha» de hóquei em patins do Atlético Clube de Moçâmedes, tri-campeã de Angola na classe de juniores, nos anos de 1962, 1963 e 1964.

Esta foto, tirada em 1962, representa o primeiro ano dessa série de vitórias em que o Atlético Clube de Moçâmedes se consagrou campeão de Angola, após ter vencido no último jogo desse campeonato, a equipa do Sporting de Luanda. Este campeonato de Angola foi realizado em Nova Lisboa.

Este foi o 1º ano da equipa do Atlético na categoria de juniores, e o último ano da equipa do Sporting de Luanda nessa mesma categoria.

Seguiram-se mais vitórias da «Equipa Maravilha» de hóquei em patins do Atlético Clube de Moçâmedes, classe de juniores, nos campeonatos de Angola em 1963 e em 1964. E em 1965 quando ascenderam a seniores, a nova equipa, recheada com muitos destes jovens, venceram igualmente o Campeonato de Angola. Uma autêntica proeza. 

E as coisas não ficaram por aqui para o hóquei em patins do Atlético Clube de Moçâmedes, apesar da dissolução da «Equipa Maravilha» em 1966, com ida para o serviço militar de todos os seus componentes. Em 1967, com apenas um elemento da antiga «Equipa Maravilha», Carlos Chalupa ( a fazer tropa em Moçâmedes), com Arménio Jardim, Alvaro Ascenso, Rui Sampaio e Briguidé, o Atlético Clube de Moçâmedes consegue  vencer os campeonato de Angola. Mas Atlético estava imparável, e após ter perdido o campeonato de Angola em 1968 no último com o Benfica de Luanda (precisavam vencer e empataram 0-0), eis que novamente em 1969 se sagrou campeão de Angola de hóquei em patins.

Na foto, podemos ver, da esq. para a dt.
Em cima:
Neco Mangericão, ?????, Hemitério Alves , Manuel Rios, Mário de Andrade, Artur Trindade, Congo (irmão do Xico Bamba), Arménio Jardim (Treinador do Atlético), Laurentino Jardim (jogador),Arménio Minas, Zequinha Cruz, Chibante, Orlando Saraiva dos Santos, Faustino, José Costa, Veiga, João Germano Godinha Fernandes, ???.

Embaixo:
?, Carlos Brazão ( jogador), ?, Orlando Santos (jogador), Chico Carmo, Camilo Costa , Pedro Costa (Caála), Daniel Couto, Costa (filho de Camilo Costa), Zé Adriano, Henrique Minas, Fernando Leonel Pita (Leona), Rui Mangerição, Laurindo Couto (jobador), João Martins (Latinhas),

Para mais informações/fotos, sobre esta equipa e sobre o Desporto em Moçâmedes até 1975, consultar o nosso outro sítio AQUI
Foto gentilmente cedida por Artur Trindade

16 agosto 2008

Gente de Moçâmedes na fantástica Leba/Chela



1ª foto: Grupo de moçamedenses de visita à obras construção da estrada da Leba, a nova estrada que iria ligar Moçâmedes/Sá-da-Bandeira. São eles, da esq. para a dt.: Renato Freitas e os dois filhos, Walter e Nelinho, Maria José Azevedo Jardim, Alice Freitas e Florinda Jardim.(Para remontar aos antepassados de Florinda e Renato, clicar AQUI).
 




 2ª foto e seguintes: A estrada da Leba concluida, e a cordilheira da Chela em todo o seu esplendor... Nas duas últimas, a fenda da Tundavala, vista de cima e do sopé da serra.
3ª e seguintes: A espectacular cordilheira da Chela e fenda da Tundavala.
Ver mais In 1000imagens.aspx.jpeg de David Ligeiro



Vai um poema:


Sempre às voltas, sempre, sempre a subir,
olhos atentos, postos e presos na distância,
numa paisagem que, cada vez mais aumenta,
   que sobe até onde ninguém já ousa desistir…
Ai Leba, esse caminho lindo, como outro nunca se viu,
ontem tão longo e difícil, quanto é hoje tão encantador,
não só pela beleza que a mão do Homem nele introduziu,
Mas pelo sublime encanto da Arte de Deus Nosso Senhor.

Aquela Serra imensa, que deste modo assim se agiganta,
espalha e sobe por um céu azul cerúleo, que nos encanta,
que por entre curvas e contracurvas de um asfalto gingão,
agita e renova o ar rarefeito e salva-nos da sufocação.


Do alto da Serra vem uma aragem de sublime fragrância,
que nos ajuda a subir, degrau a degrau, lanço após lanço,
velhos e inenarráveis caminhos de que nunca me canso
e que me proponho subir e descer até à última estância…


5.08.2010

NECO MANGERICÃO





------------------


A Leba faz parte da imensa cordilheira da Chela, nascida a noroeste, na direcção de Benguela, que termina bruscamente na Ponta do Lubango, e que nesta região toma várias designações, como serras do Bimbe, do Lépi, Calenga, Numpaca, Tundavala, Bruco, Leba.

Os primeiros colonos madeirenses desembarcados em Moçâmedes em 1884, com o objectivo de povoar o rico e extenso Planalto de Moçâmedes, como então era designada a região da Huíla.  em Moçâmedes, tiveram que transpor essa gigantesca muralha feita e ageitada em épocas remotas por convulsões geológicas, constituiu o maior desafio colocado aos primeiros colonos madeirenses que, 


No ano seguinte, em 19 de Janeiro de 1885,  ano do término da Conferência de Berlim,  foi a data oficial da fundação da Colónia de Sá da Bandeira. Nos termos daquela Conferência, para Portugal poder manter os territórios "coloniais" tinha que colonizar de facto, caso não estivesse à altura de o fazer teria que os ceder a potência em condições para tal. O direito histórico que Portugal reivindicava desde Diogo Cão, em 1482, deixara de ter valor.

Foi a pé e em carros de bois, que a subida foi feita, através da garganta da Chela, depois de uma paragem na zona da Vila Arriaga ( Bibala).

No livro o «Distrito de Mossâmedes», de Pereira do Nascimento, o autor  refere que se podia escalar a cordilheira da Chela a partir do vale de Capangombe até ao planalto, por quatro gargantas: as portelas do Bruco (abertura rasgada a prumo na rocha por onde se caminha aos zigue-zags por entre tufos de preciosa arborização e aromáticas flores seguindo-se um segundo degrau de subida até ao  arraial da Kaionda (Chela) onde o terreno é cada vez mais íngreme com rochas áridas e  vegetação raquitica incluindo capim, e que desemboca na Humpata., a sul da serra da Neve A altitude é de  1829 metros) e Leba; a aberta de Kilemba; o vale de Tandirikita e, descoberta por caçadores boers, a portela do Hoke.  Pereira do Nascimento refere também que a estrada que sobe pela portela do Bruco (segundo degrau), reveladora de um  vigoroso trabalho de arte, apesar do estado apresenta va devido às chuvas, fora mandada construir pelo Governador Fernando da Costa Leal.

O que se sabe é que um punhado de madeirenses escalou a pé aquelas encostas apoiados com meia dúzia de carroças puxadas por bois que levavam a carga e carregavam os mais frágeis da colónia. Desconhecemos qual terá sido o preço em vidas humanas de tal empreendimento, mas que o trajecto foi conseguido, com a travessia do deserto de Moçâmedes, sob céu escaldante e chuvas torrencias, facto que constituiu a parte mais dramática do nascimento do Lubango!

Desde essa altura e até ao início da década de 70, a transposição da Chela era feita mais a norte, pela garganta da Chela, por uma estrada quase paralela ao Caminho de Ferro, que passava por dentro de Vila Arriaga. Tinha uma extensão de 221 quilómetros, a maior parte em terra-batida e praticamente sem obras de arte, o que significava ter de atravessar linhas de água que na época das chuvas se transformavam em rios caudalosos e lanços muito íngremes sujeitos a deslizamento de terras. Aquele percurso que na época seca demorava de carro de 3 a 4 horas, na estação das chuvas chegava a demorar um dia inteiro e às vezes mais... 

Infelizmente, a estrada da Leba só apareceu a par das realizações  levadas a cabo nese tempo extra, entre 1961-1974, em que Angola,  a par da guerra, teve um grande incremento, mas isso não lhe tira o mérito. Na verdade todas as cidades ficaram ligadas por estradas asfaltadas. Em 1973 Angola dispunha de mais de 8000 km de estradas pavimentadas. Vale ressaltar aqui a excelência da JAEA (Junta Autónoma de Estradas de Angola).

:
A Leba, uma das mais majestosas fatias da Serra da Chela, surgia ao nosso olhar como um contraforte aparentemente intransponível, que separa as planícies do Namibe dos férteis planaltos da Humpata, Palanca e da Huíla.
 

Trancrevemos um texto deixado por Diamantino Pereira Monteiro, no site Angola/Lubango:
 
...Foi em meados da década de 60 que se iniciaram os estudos para a construção da nova estrada, tendo-se colocado nessa altura três hipóteses de traçado: a primeira era o aproveitamento do traçado actual (221 Km); a segunda, Moçâmedes - Cainde - Capangombe - Chibia - Sá da Bandeira, um itinerário mais longo (264 Km), mas que tinha a vantagem de contornar a Serra da Chela, entrando em Sá da Bandeira pelo Sul; e finalmente o traçado da Leba (175 Km) mais curto mas muito mais íngreme. A decisão, baseada em estudos de custos de construção e de utilização, foi tomada em finais da década de 60 pela Junta Autónoma de Estradas, então presidida pelo engenheiro Rego Cabral. Foi escolhida a solução mais económica, se bem que a mais pesada em termos de investimento inicial, que no entanto viria a ser largamente compensado pelas diferenças do custo unitário de transporte no percurso total.

A obra, adjudicada à firma portuguesa Lourenços Lda, e dirigida pelos engenheiros da Junta Autónoma de Estradas, viria a ser uma das realizações mais emblemáticas de Angola. Incluindo seis lacetes construídos dentro das normas usadas nos Alpes suíços, o lanço apresenta 20 Km serpenteados, a cobrir uma extensão que em linha recta é inferior a 7 Km. O desnível entre esses dois pontos é de 1000 metros. Nunca até aí fora construído um troço de estrada tão caro: mais de 3 mil contos por quilómetro!
» (1)

...É impossível não ficar algumas horas sentado no miradouro natural em frente daquela serpente rodoviária e deixar que o olhar abrace toda a Chela até aos difusos contornos setentrionais. Espraiar o olhar para poente e saltar de morro em morro até ao início da planície deserta do Namibe, relembrar as lendas do Morro Maluco, a protuberância fálica rompendo o hímen das nuvens e que constitui a referência visual mais marcante daquela paisagem única!»

Quase sem consciência de que o dia se esvai, sou surpreendido pelo mais majestoso dos espectáculos da natureza naquele local: o pôr de Sol na Leba é indescritível! Não há palavras, nem fotografias ou filmes que possam traduzir a luz, as cores, os matizes e os recortes da bola de fogo que se deita de mansinho por trás dos montes, na sua cama do deserto que se adivinha mesmo ali! » (2)


O mais sensacional da Leba é, para além da paisagem, de uma grandiosidade e beleza indescritível que dali se desfruta, formada pela cadeia de montanhas e de vales a perder de vista, o projecto geométrico da estrada, com as suas as curvas e contracurvas bastante pronunciadas, e uma inclinação de pelo menos 10, que imprime ao trajecto o sabor de aventura plena de emoções.
Esta estrada,
um dos «ex-libris» de Angola, 
foi projectada pelo engenheiro António Campinas, natural do Lobito, e é considerada a obra de engenharia mais grandiosa levada a cabo na última fase da colonização portuguesa. Acabada de construir já na década de 70 tal como a ponte do Caminho de Ferro de Moçâmedes  projectada por Edgar Cardoso , aproximaram sobremaneira, moçamedenses e huilanos, que passaram a visitar-se muito mais vezes, e a fruir do grande prazer de viverem numa das zonas mais ricas em potencial turístico de toda a Angola. No campo económico possibilitou um mais fácil escoamento de mercadorias.

Moçâmedes com as suas magnificas praias de areias brancas e águas cristalinas, e
o chamamento de algo verdadeiramente extraordinário como é o deserto do Namibe, habitat das mais belas espécies de animais selvagens, onças, leões, gazelas, elegantes, guelengues, olongos, avestruzes etc. etc, tinha para oferecer ao visitante um conjunto sem igual, todo ele espaço, areia, dunas, pedras, miragens, welwitschias, cactus, as espinheiras... Enfim, tudo quanto o Namibe encerra de especial, em paisagens avassaladoras, diversidade cultural riquíssima, os povos nómadas, as gravuras rupestres do Tchitundu-Hulo (atribuídas aos antepassados dos khoisan), o Iona, as elevadas dunas, o seu rico mar pleno de vida e povoado com a mais excelente e diversificada gama de peixes e mariscos que fazem as delícias da boa mesa.  O Lubango/Huila, terra linda, de ares puros e paisagens deslumbrantes, a oferecer aos visitantes uma mão cheia de belezas naturais, qual delas a mais bela, qual delas a mais prazeirosa: a fenda e a barragem da Tundavala, a Serra da Chela, o Miradouro, a Cascata da Huila, a luxuriante Senhora do Monte, as nascentes de água cristalina, os seus parques e belos jardins floridos, e outros tantos, tantos locais igualmente belos e deleitantes como o Casino, a Piscina e a Capelinha da Senhora do Monte, o monumento ao Cristo Rei, a Barragem da Lagoa, enfim, um conjunto ímpar que faz da região uma das mais bela, senão a mais bela de Angola.

A Tundavala é uma vertigem e uma emoção. Para se chegar ao abismo da Tundavala, é preciso fazer cerca de 15 quilómetros por estradas de terra batida desde a cidade do Lubango. Acho que não há quem não os faça. Ir ao Lubango e não ir à Tundavala, é pior que ir a Roma e não ver o Papa. A quem olhar a partir de cima para os pés da montanha imponente, a Tundavala surge como um autêntico paredão a mais de 2000 metros de altitude, com a dita fenda de cerca de 700 metros entre dois penhascos, a partir do qual se pode observar o casario raso, colorido e ameno de Vila Arriaga (Bibala), e mais além, estendendo-se até ao limite do horizonte, a terras dos mucubais, povo nativo desta região que vive em tribos no deserto do Namibe e no sopé da Serra, cuja riqueza são os bois, povo que não se mistura com outras tribos, pouco social e resistente à integração. Na 5ª foto podemos, outra pespectiva deste gigantesco paredão que divide a região planáltica da Huila, da região desértica do litoral sul de Angola onde ficam as cidades de Moçâmedes e de Porto-Alexandre, região que se estende mais a leste até ao lendário Cunene, rio que com as suas curvas e contracurvas abraça todo o Sudoeste an­golano até ao mar.

A mítica TUNDAVALA, é hoje para quem a visita, um símbolo de morte e terror, que permanecerá para sempre na mente e no coração povo, como mais uma página negra da História de Angola do século XX. Segundo se diz, ainda hoje é possível encontrar no local testemunhos dessa época, bastando com a biqueira do sapato trazer à superfície cápsulas de balas que alí ainda se encontram enterradas no local, para além dos furos de balas
impressos nas paredes do MIRADOURO. Crimes de violência política do mesmo género, diz-se, ocorreram também na ponta do Pinda (Porto Alexandre), onde foram efectuados vários fuzilamentos, e os corpos em seguida impiedosamente atirados ao mar...


Foi
na fenda da Tundavala, diz-se, que foram efectuados nos momentos a seguir à independência de Angola, fuzilamentos de elementos de movimentos opostos, cujos cadáveres ficaram para sempre no fundo do precipício. Foi o caso de José Espírito Santo, militante do MPLA de Moçâmedes, e funcionário do Banco de Angola, que caiu numa emboscada, ao que consta, da UNITA, quando ao volante do seu carro, passava por Sá-da-Bandeira, a caminho de Luanda.

Aproveito para recordar o assassinato cruel de Armando Sabino Dias, o português empreendedor residente há mais de 35 anos no Lubango, casado com uma moçamedense, Hélia Paulo Dias, que explorou na década de 1950 a Pensão Lubango, foi sócio de J. Franco na Peixaria Lubango, e que meia duzia de anos após a independência, numa noite de Natal, acabaria por sucumbir, brutalmente e à falsa fé, sob as lâminas de uma catana quando se encontrava no interior da sua propriedade, a única na região, nos arredores do Lubango, que na altura abastecia o mercado de víveres ( legumes, frutas, carnes, etc), e que ainda exportava para o carente mercado da capital. Recordo também José Dias Ferreira, mais conhecido por «Ferreira do Saco», o português que teimou em permanecer em Moçâmedes após a independência, e que foi brutalmente assassinado, não se sabe porquê, lá para os lados da Praia Amélia, ou mais propriamente, na praia Azul.


Acredito que esta zona do sul de Angola, há-de vir um dia a ter a projecção que merece nos mapas do turismo internacional. Quando virá este dia, não sei!


Alcançada a paz, o povo de Angola pode hoje contar, graças a Portugal e aos portugueses, com um país enorme, que reune condições excepcionais para num futuro próximo vir a ser a grande potência africana, se o actual governante e os que se seguirem forem capazes de ir além do ciclo dos diamantes e do petróleo, se forem capazes de, emanando exemplos para toda a sociedade, acabaram com o escandaloso sistema de corrupção generalizada que o país atravessa que está a comprometer o futuro das novas gerações. É o único caminho de legar-lhes um país digno, credível e merecedor da confiança dos seus filhos e da comunidade internacional.
Que Deus abençõe o povo humilde e sofrido de Angola!

MNJardim

(2)Pereira Monteiro in Sanzlangola
-----------
Do Bimbe ao Namibe

Dos férteis regadios da Humpata,
pela manhã levantei vôo da chitaca;
do alto divisando a geometria dos valados
sobrevoei o planalto de contornos ondulados.

Chegado à linda Leba, ninho de líricas águias,
onde o meu Irmão Valério erigiu sua Pousada,
meu breve olhar galgou o paredão róseo,
degrau de gigantes, pela serra abaixo.

Seguindo o serpentear do Munhino,
cada vez mais clara se tornava a aridez;
ao longe, avistava-se o azulado horizonte marinho.

Com a baía de Moçâmedes pelo poente,
continuei rumando ao sul, para o belo deserto.

É neste oásis espiritual que se admira a admirável,
tão paradigmática quanto a estranha dualidade humana:
a welwitchia, medrando teimosa na maior secura.

Com duas folhas apenas (como homem e mulher),
lentamente crescendo e sempre se afastando,
tocando-se quando se enrolam, às vezes nunca na vida,
um drama inteiro, sob a doce luz oblíqua na areia fina.

Mais longe, o grande Cunene entre gargantas rochosas.

Nas distantes monumentais dunas do Namibe, as arestas de areias vivas,
os ocres quentes,
o Silêncio Divino.

Zé Kahango


Para mais informação, clicar AQUI
LUBANGO/ LEBA com música Bonga,

MOÇÂMEDES/LEBA
Viagem de comboio (Garrats) Lubango/Moçâmedes

http://www.scribd.com/doc/5568652/Leba