29 maio 2009

Desporto automóvel em Moçâmedes: Henrique Ahrens de Novais, o campeoníssimo













Na 1ª. foto: Henrique Ahrens Novais no pódio, após ter vencido o circuito automóvel das Festas do Mar 1969. A seu lado Corte Real Pereira e Silveira Machado, os dois pilotos que ficaram em 2º e 3º lugar.

* * *
Henrique Ahrens de Novais foi indubitavelmente, na fase de puro amadorismo, o melhor piloto angolano, quer na modalidade de ralis, quer nos circuitos automóveis, e a sua imagem traz à recordação todas as alegrias que este desporto de elite deu aos moçamedenses.

«...O «...O campeoníssimo Ahrens Novais era uma "bandeira" do automobilismo Moçâmedense. Desde o inicio com um Volkswagen, passando por um Volvo 544 (emprestado), Porsche 356, Lotus Elan e finalmente no lindo Porsche 904 GTS, fazia as delicias dos Cabeças de Peixe. Lembro-me dele ainda no inicio em provas efectuadas na avenida junto aos correios, com partida dada um a um com determinado tempo de diferença para que no final se pudesse achar o vencedor.

Mais tarde já com o Porsche 356 num circuito que passava pelo parque infantil e onde vi pela primeira vez o Eng.Eurico Lopes de Almeida com um Cooper de cor amarela, o Zé Caputo também em Cooper e o "boca de Sapo" de Amilcar Machado, penso que era de Sá da Bandeira, e julgo que também nesta prova o Volvo 122 de José Luis da Ressurreição. Isto para se ver que no inicio qualquer carro servia para fazer as delicias de quem assistia e de quem participava. Depois com o Lotus Elan começaram as provas onde as máquinas se começavam a equiparar. Lembro-me da decepção que foi facto do Lotus Elan de Ferreira Pires ter ficado completamente destruido por um incendio numa prova que prometia uma luta cerrada entre os dois.

Finalmente o Porsche 904 com o qual começou a espalhar o seu "perfume" por toda a Angola começando aí a ganhar o respeito e admiração não só de quem assistia, mas também dos seus próprios adversários. É para mim inesquecivel, numa prova onde apareceram o Nicha e o Carlos Santos em Luanda, a foto do Novais sentado junto á trazeira do 904 com a cabeça entre os joelhos e a ser confortado pelo seu amigo e mecanico se sempre, Abel. Muito mais havia para se dizer deste pioneiro do automobilismo angolano que chegou a ser apelidado de "dragão da regularidade" não só por fazer volta a volta com tempos muito aproximados, mas também por fazer as passagens de caixa precisamente nos mesmos sitios.»

Luis Bacharel in Mazungue
........................

«Nome inesquecivel no automobilismo angolano. Na fase de puro amadorismo foi realmente o maior e melhor corredor angolano.Refiro-me aos anos de 60/70 ,portanto antes do aparecimento das equipes patrocinadas pela BMW e Alfa... Começou num simples VW que deixava todos os outros carros a KM de distancia..Foi o 1º carro que vi meterem umas pastilhas nos cubos das rodas de traz só para alargar o rodado ,o que lhe dava uma estabilidade incrível para a altura. Assim como também foi o 1º a aparecer com as bocas do escape mais largas.Nada disso hoje é relevante mas para a época era revolucionario.Correu em varios carros:o VW,um LOTUS ELAN,um MGA que era lindissimo,um PORCHE antiquissimo que ja nem me lembro do modelo e depois em varios PORCHES por fim no belo PORCHE 904 GTS.Esta marca era a paixão dele.Aliás foi num belissimo 911 que teve o enorme desastre e que pôs fim a sua carreira. Morreu em Setúbal em Fevereiro de 1996.»

Camões Araújo in SEMANA AHRENS NOVAIS» do site Mazungue
..................................

«Esta figura do automobilismo angolano, ficou para sempre conhecida pelos sucessos que teve ao volante de um carro raro e lindíssimo: o Porsche Carrera GTS 904.


Sobre este carro, muito se tem pesquisado e escrito, mas poucos conhecem a verdade do seu percurso.
Já se disse (por exemplo) que correu em 1965 com Stommelen em Le Mans, mas tudo indica que o carro provinha de um particular do centro da Europa.
Levado para Angola (em 1967 ?), manteve a antiga matrícula até chegar a Gil Morgado, creio, em 1971.

Henrique Ahrens Novais, como se vê, teve uma predilecção pela máquinas saídas do génio dos Ferdinand Porsche. Também correu com um 356.

Asperezas

A consultar:
Memoria recente e antiga
SportsCar
........................


...«Quando vivi em Moçâmedes não perdia uma corrida. Eu e o meu pai ficávamos na Fortaleza e viamos ao longe a recta da meta (a avenida marginal). Depois os carros viravam à esquerda, subiam uma grande rampa, muito inclinada, novamente à esquerda, passavam em frente à Igreja de Sto Adrião, o "S" do tribunal, sempre a descer ... curva à esquerda, capitânia,.... e novamente recta da meta. Adorava ver aquelas corridas. Velhos tempos dos Coopers, NSU TT, Ford Capri, Lotus, etc, etc. A grande disputa era entre o Novais (um moçâmedense de "gema") e um "forasteiro" chamado Herculano Areias. O Novais tinha um Lotus Elan S3 e o Herculano Areias um Lotus .. , um louts ..., bem era diferente, mais potente, mas o Novais algumas vezes ganhou ao Herculano Areias. O ppl de Moçâmedes torcia pelo "nosso" Novais. Era o nosso fã. E nas corridas que faziamos com carrinhos "Dicky Toys" lá tinha que haver um Novais. O problema era que todos queriam ser o Novais. Escusado será dizer que havia uns amassos, mas chegava-se a acordo, que um seria o Novais e os restantes, os outros. ....»
in
.......

HISTORIAS DO AUTOMOBILISMO ANGOLANO: Aqui vai uma historia de 1959 ,imaginem os anos passados!!!!
JORNAL DE ANGOLA,Dez.59.TITULO: 1º RALLYE AUTOMOVEL DE BENGUELA,reuniu o maior numero de "volantes" de quantos se realizaram já em ANGOLA e foi presenciado por milhares de benguelenses,constituindo o maior e mais emocionante acontecimento desportivo que a cidade viveu já!.(Um aparte para dizer que este rallye coincidiu com a inauguração do HOTEL MOMBAKA,onde ficarm hospedados todos os concorrentes de fora de Benguela)Inscreveram-se 61 concorrentes e a classificação final foi.


1º AHRENS de NOVAIS (Moçamedes)-WOLKSWAGEN
2º M.M.FRAGOSO (Sa da Bandeira) -VOLVO Marreco
3º OLIMPIO RESENDE (Sa da Bandeira)-FORD
4º ALTINO FRAGA (Lobito) -WOLKSWAGEN
5º CAMÕES ARAUJO (Sá da Bandeira)-FORD V8
6º SERGIO GARCÊS (Benguela) -MG
7º EURICO L.ALMEIDA ( Benguela)-WOLKSWAGEN
8º SANCHO SANTOS (Benguela)-SAAB
9º JOSE L:ALEXANDRE (Benguela)-OLDSMOBILE
10ºJOSE PEDRO BAULETH (Moçamedes)-FIAT 1200.

.............

IX Circuito da Fortaleza - Luanda
1º - Ahrens Novais - 904gts
2º - Silveira Machado - Lancia 1.3 HFR
3º - Corte Real Pereira - Lancia 1.3 HFR
4º - Carlos Conde - Cooper S
... etc

......http://s479.photobucket.com/albums/rr157/farapuso/234_1968-05-16_Luanda.jpg


Trata-se de uma prova de velocidade complementar do I Grande Rallye de Angola, ano 57. Na prova de velocidade o VW fica em posicões secundárias mas acaba arrebatando o troféu ao final de 2000 km percorridos. Ao volante, Ahrens de Novais.



Henrique Ahrens Novais
A consultar:
Memoria recente e antiga
SportsCar

LUANDA 683.jpg

LUANDA Maio de 1968: IX Circuito da Fortaleza Muito público assistiu a esta edição do Circuito da Fortaleza que viu 23 carros à partida de uma única manga onde se misturaram carros de Turismo e de Sport. O favorito ao triunfo era o Porsche 904 GTS de Ahrens de Novais, na época o melhor carro que corria na antiga Província Ultramarina de Angola. Durante algum tempo acalentou-se a esperança de que chegasse a tempo o Lotus 47 que Fausto de Figueiredo tinha adquirido no Continente a Mané Nogueira Pinto, mas gorada essa expectativa, o interesse da corrida passou a centrar-se na disputa do segundo lugar da geral, visto o primeiro estar por suposta antecipação entregue ao piloto do 904 GTS. E de facto assim sucedeu, pois Ahrens de Novais arrancou à frente e não mais deixaria o comando até ao final das 100 voltas ao circuito de 1832 metros. A seguir ao Porsche ficaram os dois Lancia Fulvia preparados na fábrica, de Silveira Machado e de Corte Real Pereira que acabaram por se impor aos Lotus Elan (que viriam a desistir por problemas mecânicos) e aos Alfa Romeo GTA.

Partida: Ahrens de Novais impôs a maior potência do Porsche e afastou-se rapidamente do enquadramento da foto. Na imagem podemos ver o Lotus Elan S2 de Francisco Barbosa, tendo atrás de si o Ford Cortina Lotus de António Lacerda. Mais à esquerda, na primeira linha da grelha (cada linha tinha 4 carros) vemos o BMW 1600 de Victor Rodrigues, o Alfa Romeo GTA de Fernando Pinhão (vindo da segunda linha da grelha), o Lancia Fulvia 1.3 HSR de Silveira Machado (um carro preparado na fábrica) e, mais atrás, o BMC Cooper S de Carlos Conde e o Abarth 1000 Corsa de José Teixeira.

O Porsche 904 GTS de Ahrens de Novais, vencedor do Circuito da Fortaleza de 1968
_______________________________________________________


Esta a minha homenagem a esse grande senhor do nosso automobilismo. HENRIQUE AHRENS NOVAIS acabaria por ser vitimado por um desastre automóvel quando se encontrava em passeio na região da Huíla, tendo a partir daí se afastado defitivamente das lides automobilísticas, nas vésperas da descolonização de Angola. Morreu em Setúbal em Fevereiro de 1996.

27 maio 2009

Gente de Moçâmedes: a Família Madeira


























1ª foto:
Nesta foto, reconheço, entre outros, da esq. para a dt., à frente: Fernanda Lourenço, Mitsi Aboim, Sónia Madeira, e um pouco atrás, o industrial José Prazeres Madeira junto da irmã e mãe, o casal Mª de Lourdes P. Infante da Câmara e Carlos Teixeira. Retirada de Sanzalangola.

2ª foto: Reconheço, entre outros, da esq. para a dt., à frente: Fernanda Lourenço, Mitsi Aboim, Sónia Madeira... Ao centro e atrás: Prazeres Madeira junto da irmã e mãe, o casal Mª de Lourdes P. Infante da Câmara e Carlos Teixeira. Retirada de Sanzalangola.para ser lançada ao mar, reconheço a familia de Prazeres Madeira: esposa Aida e os filhos, Paulo Madeira, Sérgio Madeira, ?, Ruth Madeira, Sónia Madeira. e à esq. Gaspar Gonçalo Madeira.
Foto: Sansalangola (LaySilva)

Fica aqui mais esta recordação de gente que viveu num outro tempo naquela que foi a minha terra natal!

24 maio 2009

Piquenique nas Hortas de Moçâmedes





1ª foto:

Piqueniques como este eram muito comuns aos fins de semana, na década de 50 em Moçâmedes. É um entretenimento que consiste na realização de uma refeição ao ar livre, como um lanche ou almoço. Geralmente os lugares escolhidos eram as várias Hortas existentes nas margens do rio Bero, mas também se faziam piqueniques na Praia Amélia ou em outras praias de Moçâmedes e do distrito. Fossem nos campos ou nas praias, era sempre uma oportunidade para vários elementos de uma mesma familia, ou de várias familias e amigos, se juntarem, confraternizarem e fruirem do prazer do contato com a natureza, fosse ela marinha ou campestre. Consulte também: GENTE DO MEU TEMPO.: Passeio domingueiro às Hortas do Torres, em Moçâmedes

2ª foto:

Por volta de meados da década de 1950, não era raro verem-se raparigas andarem nas suas bicicletas e darem com elas passeios até às hortas. Iam em pequenos grupos de raparigas ou de rapazes e raparigas, aos fins de semana ou num qualquer intervalo mais prolongado, no horário das aulas. Esta foi a década em que o sexo feminino começou a ter alguma automia  e liberdade de movimentos, que explodiu o número de raparigas frequentando o secundário em Moçâmedes, ou ingressando no Liceu de Sá-da-Bandeira, tendo em vista outros vôos em matéria de habilitações, uma vez que o liceal possibilitaria o 7º ano e o acesso a cursos superiores, que só podiam efectuar-se fora de portas, isto, é na Metrópole ou no estrangeiro.

Reconheço nesta foto, da esq. para a dt, de pé: Lalai Jardim, Nide e
Claudete Figueiredo?
Sentada reconheço Júlia Castro (a 3ª à dt). Tudo gente do Atlético Clube de Moçâmedes, basquetebolistas ou adeptas do clube.

Outros piqueniques nas Hortas de Moçâmedes: clicar AQUI



.




QUEM QUER COMPRAR ?



Quem quer comprar pitanga
Tamarindo. goiaba,
Quem compra manga, doce manga
- Tem também meu corpo - quem paga ?


Maboque, múkua, papaia,
Mirangolo - que faz doce de gostar.
Compra, compra a fruta de mucaia
Que também se vende. - Quem me quer comprar ?


Sabor a fruta - nocha, abacachi,
Tabaibo, abacati - o meu corpo tem
Me compra meu senhor, leva p'ra ti
Toda esta dor de me vender também.


Compra a frescura, o viço, a mocidade
De quem se vende, como eu me ofereço;
Compra senhor a atroz necessidade
Da vendedeira que também tem preço.





Poema tirado do livro CIDADE E SANZALA de Eduardo Brazão, Filho - Mossungo
(Natural de Moçâmedes e ali falecido em 16-02-02)
 

13 maio 2009

Estudantes de Moçâmedes: anos 60




Fotos cedidas por Luisa Nascimento



























fotos: Sanzalangola

Desporto automóvel em Moçâmedes: o grupo «Os Keko's»









Este é o grupo «Os Keko's». Foi aqui que tudo começou. Reuniões com amigos na garagem da casa de Jorge Maló de Almeida, aos fins-de-semana. O pai, o tio Ângelo de Almeida, estava proibido de usar a garagem.
1ª foto: Jorge Maló de Almeida, Mário João de Sousa e Jorge Lopes.
2ª foto: Jorge Lopes, Jorge Maló de Almeida e Mário João de Sousa.

3ª foto: Jorge Maló de Almeida
4ª foto: idem, em Novembro de 1967
(2º lugar da Classe A)
5ª foto: Rally do Radio Clube de Moçamedes
Novembro de 1967
Fotos gentilmente cedidas por Manuela Lopes

Manuela estou à espera de acrescentar aqui um pequeno texto sobre o Jorge e o desporto automóvel. Preciso da tua ajuda!

Consultar também MOÇÂMEDES MEMÒRIAS DESPORTIVAS

10 maio 2009

Moçamedenses da Torre do Tombo no tempo das antigas pescarias, em Moçâmedes...

Panorâmica da baía de Moçâmedes no tempo em que se encontravam ainda alí as primitivas pescarias que na década de 50 foram desmanteladas para darem lugar ao cais acostável e à avenida marginal.




o fundo, o famoso «morro das inscrições» ou morro da Torre do Tombo onde se encontram as famosas «grutas» que serviram de abrigo aos primeiros mareantes que em tempos remotos por ali passaram. Por detrás podemos ver a ponte de uma das pescarias e à esq., a meio do morro, a casa de João Martins Pereira (morgado). Chamavam «morgado» porque o terreno que a mesma ocupa fora concedido ao seu proprietário por concessão régia. Ainda hoje esta construção ali se encontra resistente à voragem do tempo, e bem merecia ser preservada como património histórico-cultural que representa. Na praia podemos ver um jovem que ali se banhava como era costume na época.
 Mariazinha Pinto, Olimpia Aquino e Raquel Martins Nunes posam para a posteridade sobre uma das muitas pontes das primitivas pescarias que circundavam a baía de Moçâmedes.















 

 



















Vae também: Moçâmedes ... Mossãmedes do antigamente...: A indústria de Pesca em Moçâmedes