24 maio 2009

Piquenique nas Hortas de Moçâmedes





1ª foto:

Piqueniques como este eram muito comuns aos fins de semana, na década de 50 em Moçâmedes. É um entretenimento que consiste na realização de uma refeição ao ar livre, como um lanche ou almoço. Geralmente os lugares escolhidos eram as várias Hortas existentes nas margens do rio Bero, mas também se faziam piqueniques na Praia Amélia ou em outras praias de Moçâmedes e do distrito. Fossem nos campos ou nas praias, era sempre uma oportunidade para vários elementos de uma mesma familia, ou de várias familias e amigos, se juntarem, confraternizarem e fruirem do prazer do contato com a natureza, fosse ela marinha ou campestre. Consulte também: GENTE DO MEU TEMPO.: Passeio domingueiro às Hortas do Torres, em Moçâmedes

2ª foto:

Por volta de meados da década de 1950, não era raro verem-se raparigas andarem nas suas bicicletas e darem com elas passeios até às hortas. Iam em pequenos grupos de raparigas ou de rapazes e raparigas, aos fins de semana ou num qualquer intervalo mais prolongado, no horário das aulas. Esta foi a década em que o sexo feminino começou a ter alguma automia  e liberdade de movimentos, que explodiu o número de raparigas frequentando o secundário em Moçâmedes, ou ingressando no Liceu de Sá-da-Bandeira, tendo em vista outros vôos em matéria de habilitações, uma vez que o liceal possibilitaria o 7º ano e o acesso a cursos superiores, que só podiam efectuar-se fora de portas, isto, é na Metrópole ou no estrangeiro.

Reconheço nesta foto, da esq. para a dt, de pé: Lalai Jardim, Nide e
Claudete Figueiredo?
Sentada reconheço Júlia Castro (a 3ª à dt). Tudo gente do Atlético Clube de Moçâmedes, basquetebolistas ou adeptas do clube.

Outros piqueniques nas Hortas de Moçâmedes: clicar AQUI



.




QUEM QUER COMPRAR ?



Quem quer comprar pitanga
Tamarindo. goiaba,
Quem compra manga, doce manga
- Tem também meu corpo - quem paga ?


Maboque, múkua, papaia,
Mirangolo - que faz doce de gostar.
Compra, compra a fruta de mucaia
Que também se vende. - Quem me quer comprar ?


Sabor a fruta - nocha, abacachi,
Tabaibo, abacati - o meu corpo tem
Me compra meu senhor, leva p'ra ti
Toda esta dor de me vender também.


Compra a frescura, o viço, a mocidade
De quem se vende, como eu me ofereço;
Compra senhor a atroz necessidade
Da vendedeira que também tem preço.





Poema tirado do livro CIDADE E SANZALA de Eduardo Brazão, Filho - Mossungo
(Natural de Moçâmedes e ali falecido em 16-02-02)
 

Sem comentários:

Enviar um comentário