22 janeiro 2012

1975: FUGA DE MOÇÂMEDES (Namibe) pelo Cunene





Para além da grande evacuação que se processou por via da ponte aérea entre Luanda e Lisboa,  montada por Portugal com a ajuda de potências internacionais, foram várias as saídas de brancos e não só, para fora de Angola, a partir de Moçâmedes, Porto-Alexandre e Sá-da-Bandeira, nesses meses que mediaram  entre Junho de 1975 e Fevereiro de 1976. Uns partiram em traineiras com destino a Luanda e daí para Portugal. Outros,  rumo a Walvis Bay (Namíbia), outros atravessaram o oceano e chegaram ao Rio de Janeiro e mais tarde seguiram para o Algarve, e ainda outros partiram  em caravanas de automóveis pelo deserto fora, até à foz do Cunene, atravessaram o rio numa jangada construida para o efeito,  e prosseguiram para Walvis Bay através da perigosíssima Costa dos Esqueletos, uma das zonas mais inóspitas do globo, tendo-se perdido vários carros e embarcações no decurso dessas  viagens.

A população de Moçâmedes, cidade litorânea do sul de Angola, desde sempre geograficamente afastada de zonas de conflito, viveu em completa calmaria até Julho de 1975,  mas viu a sua situação mudar e deteriorar-se  a partir de momento em que, após a batalha de Luanda e a  expulsão da UNITA e da FNLA pelo MPLA, os confrontos entre os movimentos começaram a  alastrar a todas as cidades de Angola.   Foi a partir de então que as pessoas começaram a tomar consciência da situação, e conforme se avançava para o dia 11 de Novembro, dia da Independência, o pânico começou a alastrar, pois até aí, excepto uns poucos mais temerosos de suas vidas, e mais preocupados em acautelar seus bens, a maioria vivia de de boa fé, e na mais completa ignorância daquilo que realmente se estava a passar,  ia-se deixando estar, embora se mantivesse expectante e receosa ante o desenrolar dos acontecimentos.  Ninguém sabia, por ex. , que a partir de Julho de 1975 os soldados cubanos apoiados por material de guerra russo pesado e sofisticado (tanques e mísseis), tinham começado a entrar em Angola, o que não admira, pois mesmo na então Metrópole se desconhecia-se em absoluto estes factos, porque a Informação (imprensa, rádio e TV) à época considerada "a mais livre do mundo",  simplesmente os ocultava. Aliás, de Julho até à independência de Angola, a 11 de Novembro de 1975, Portugal vivia o período agitado do seu "verão quente",  perpassado de  tensões crescentes entre grupos de esquerda e de direita, que só viria a acalmar com o 25 de Novembro de 1975. Para a maioria do povo portugues da Metrópolem o que se passava nas colónias era secundário.

Através dos  videos acima, Rogério Amorim conta-nos como se processou a fuga a partir  de Moçâmedes, Porto Alexandre e Sá da Bandeira,  de um grupo de familias em pânico, incluindo a sua,  que  resolveram partir rumo a Walys Bay (Namibia), através da foz do Rio Cunene e da já referida Costa dos Esqueletos.  Fizeram-no, integrando uma caravana constituida por 61 veículos automóveis de todo o tipo, carregados com bagagens que não eram mais que o pouco que puderam juntar, tendo que atravessar a fronteira numa jangada feita propositadamente para tal fim, e prosseguir a marcha durante 16 dias  sempre junto ao mar, entre o deserto e o mar, aproveitando-se da maré vazia e da areia molhada.

Do livro de Rogério Amorim  "Costa dos Esqueletos"  seguem algumas fotos desta fuga, e da travessia do rio Cunene através de Jangada:





A travessia





 
 
 







Ver também: FUGA DA CIDADE DO NAMIBE NO SILVER SKY: 10.01.1976
Grande parte destas fotos foram retiradas do livro de Rogério Amorim  "Costa dos Esqueletos"
Ver também:

Sem comentários:

Enviar um comentário