12 fevereiro 2010

Recordando o último Carnaval em Moçâmedes (actual Namibe - Angola): 1974









Em Moçâmedes, o Carnaval sob a forma de Entrudo foi introduzido pelos portugueses em meados do século XIX, e passou a ser festejado pelos africanos, que lhe emprestaram o seu cunho próprio, com danças de rua e máscaras, acompanhadas de batuques, cuja acção rítmica fazia lembrar as danças de recreação espiríta, que em dias de óbito era comum acontecerem no seio das populações autóctones, que desse modo se exibiam em gesto de solidariedade fraterna.

Presume-se  que os povos africanos que na qualidade de serviçais tenha sido transferido dos mais diversos pontos e tribos do interior na qualidade de semi-escravos nessa quadra de festa carnavalesca tenham recebido a influência de escravos afro-brasileiros que para ali se haviam deslocado acompanhando seus «patrões» que se estabeleceram em Moçâmedes e nas margens dos rios Bero, e Giraúl, onde ergueram os seus «engenhos» e as suas plantações, começando por explorar a produção da cana de açúcar, do algodão e da urzela.

Mas a festa do Carnaval era levada pelos portugueses pata terras de África era por eles festejada às vésperas da Quaresma, com festejos, danças, folguedos, representações teatrais, e até as tradicionais touradas a portuguesa. Muitas dessas diversões possuíam, de início, reminiscências das características agressivas do Entrudo, possivelmente herdadas dos chavarís medievais que incluíam zombarias, pancadarias simbólicas, enfarinhadas, seringadas e molhaças que decorriam nas ruas das cidades.

O Entrudo era o símbolo da festa desregrada e perigosa, que viria a ser criticada, combatida e proibida em Portugal e no Brasil com o avançar para o século XX, para se transformar num Carnaval menos agressivo, uma mistura entre Entrudo e Carnaval, que passou a caracterizar o modo de viver a festa nos nossos dias. Este seria, pois, o substrato básico da cultura carnavalesca das danças de rua africanas que se formaram no decurso da colonização portuguesa, durante o qual se assistiu  a uma contaminação de culturas, entre africanos  e europeus, especialmente portugueses, e  pela  cultura afro-brasileira. 

Sem luxo nem pompa, as danças indígenas carnavalescas  que estiveram activas em Moçâmedes até 1961 eram constituídas por grupos de autóctones sem quaisquer subsídios da parte do Municipio,  de modo próprio se juntavam de acordo com os bairros onde moravam, e se enfeitavam, recorrendo para tal aos mais variados objectos e vestimentas ao seu alcance. Uns exibiam panos garridos, soutiens, chapéus de abas largas, óculos máscaras de papelão, lenços, colares, brincos, pulseiras,  leques, sombrinhas, sapatos de salto alto, etc. Outros, troncos nus ou semi-nus,  com saias curtas de sarapilheira, apitos na boca, rostos pintalgados, paus na mão, penas na cabeça, simulando  índios, lutas e rituais. Outros ainda, ostentando casacas ornamentadas com adornos representando postos do exército, galões nos ombros, bonés e óculos escuros. Cada grupo surgia orgulhoso dos seus estandartes e da sua corte liderada pelos seus Reis e pela suas Rainhas, Principes, Princesa, Guarda, carnavalescamente trajados à guisa das monarquias europeias, ceptros reais e as respectivas corôas, que nas rainhas, eram colocadas em cima de véus que desciam até ao chão fazendo lembrar as santas dos altares das igrejas católicas, apostólicas, romanas.  Atrás iam os tocadores com diversos instrumentos para marcar o ritmo que se fundia com as passadas inimitáveis da dança, ao som do batuque, dos tambores, bombos, cornetas, apitos, reco-reco, marimbas, quissanges, para além de outros objectos julgados necessários para dar o tom, tais como latas, garrafas, ferrinhos, etc., etc.

Estes grupos desfilavam pelas ruas da cidade, sambando, batucando, cantando  e apitando, paravam às portas das casas, onde faziam a sua exibição que  terminava  com uma vénia cortês do  líder, e recebiam um «matabicho», gratificação em dinheiro, ou uma garrafa de vinho e algo para comer, que ajudava, dir-se-ia, a matar-o-bicho-da-fome e-da-sede que, entretanto, começava a apertar...

Regra geral, eram três as «danças» indígenas carnavalescas que desfilavam nesses dias em Moçâmedes,  a da Aguada, a do «plateau» da Torre do Tombo,e a do Forte de Santa Rita, cada uma delas com os seus  reis, com as suas rainhas,  os seus músicos, os seus poetas e os seus compositores.

O Dominguinhos ceguinho, pobre pedinte muito conhecido na cidade, era quem compunha a letra e a música da «dança» do Forte de Santa Rita. Ficou conhecida a letra de um Carnaval  nos finais dos anos 50 , que rezava assim: «eu não sabia  mana Canana era galinha... eu não, eu não sabia, mana Canana tá fazê vida c`os cachorrinho...». Trata-se  de uma critica ao comportamento de uma mulher. As letras  das músicas constituiam-se quase sempre numa crítica geralmente dirigida ao grupo rival, ou ao comportamento de algum dos seus integrantes, fossem homens ou mulheres (*).

O cozinheiro do  Ti Óscar de Almeida, era sempre o rei da «dança» do plateau da Torre do Tombo. O pior era quando, ao fim do dia, já com os seus componentes bem bebidos, no regresso a casa, as danças se encontravam numa mesma rua da cidade, frente a frente, chegando o despique a redundar em luta corpo a corpo. Aí tinha mesmo a autoridade que intervir para evitar o pior.

Tudo acabou um dia, abruptamente, tudo se esfumou com a proibição de manifestações populares e exibição de máscaras de Carnaval,  a partir das sublevações e dos acontecimentos trágicos de 1961, no norte de Angola, que deram início à luta armada  do exército português contra os movimentos de libertação.

Acabaram as danças de rua, acabou a grande festa do povo que anualmente juntava toda a gente da terra na extensa Avenida da Praia do Bonfim, local que durante mais de um século da presença portuguesa em terras do Namibe, foi testemunho destas e de outras manifestações.  Acabaram também os desfiles de automóveis, com carrinhas e camionetas profusamente enfeitadas com flores e serpentinas, que conduziam famílias ou grupos de foliões fantasiados, e que durante as tardes dos três dias de Carnaval percorriam as ruas da cidade. Acabaram as tradicionais batalhas de «cocotes», as «enfarinhadelas»,   que deixavam a Avenida da Praia do Bonfim toda desarrumada e coberta de farinha. E até deixámos de ver desfilar os corsos de carros alegóricos, uma prática recente, patrocinada pelos clubes e pelos jornais da cidade que, dando a oportunidade para competições e fazendo jus a prémios patrocinados por casas comerciais aos carros melhor ornamentados, imprimia  à festa as caracteristicas de um Carnaval europeu, como havia acontecido, pelo menos, por duas vezes, ao longo da década de 1950.  

As tardes de Carnaval perderam a graça e a alegria que haviam proporcionado durante décadas à juventude da nossa terra, e de todos quantos na festa se queriam incorporar. A cidade e as suas gentes, todas sem excepção, perderam o ânimo e tornaram-se mais tristes. 

A partir de 1961 e durante anos a fio, apenas uma ou outra criança era vista mascarada, a atravessar pela mão da mãe uma qualquer rua da cidade, ou a longa Avenida da Praia do Bonfim, talvez na direcção dos salões dos Clubes da terra, Clube Nautico ou do Atlético de Moçâmedes, talvez do Cine Impala ou do Cine Moçâmedes, para participarem em algum inofensivo concurso  infantil de trajes de Carnaval. O que nunca parou foram os bailes e as matinées dançantes que até meados dos anos 40 se faziam no mais concorrido salão de festas da cidade, o do Ginásio Clube da Torre do Tombo, o Clube pioneiro de Moçâmedes, depois no Aero Clube, e a partir dos anos 50, ora no salão do Atlético ora no Clube Náutico.  A festa recolheu e da rua passou para o interior das casas e dos salões, onde passava a estar tudo mais controlado. Voltaram os velhos «assaltos» de Carnaval, que não eram mais que bailes de mascarados ou não, realizados em casas particulares, em que grupos de amigos se juntavam e apareciam de surpresa  levando consigo bebidas e guloseimas. Isto no centro da cidade, mas  lá para os lados da Aguada,  Forte de Santa Rita e do Plateau da Torre do Tombo, durante o arrastado interregno imposto pelo regime as dancas do Carnaval de rua,  era comum ouvirem-se  no decurso desses três dias, soando de entre-muros, o som dos cânticos, das danças e das das batucada como que a clamar o retorno  da festa do povo.

Entretanto mais para diante, o Centro de Informação e Turismo de Angola (CITA) criou regulamentos, e junto das Câmaras Municipais passou a dinamizar um Carnaval mais organizado,  proibindo a utilização de máscaras, incrementando o desfile de corsos que passaram  a decorrer, bem como as danças de rua, em  locais pré-determinados, enquanto cada vez mais foram  incentivadas as festas de salão, entre outras acções. Nesse período, depois de Luanda, só o Carnaval de Lobito, na província de Benguela, se destacou, chegando a ser considerado o mais animado e mais organizado Carnaval de Angola, passando a constituir um cartaz turístico para a cidade.

Em Moçâmedes, não sei bem porquê, o Carnaval de rua extinguiu-se em 1961 e assim se manteve sem reanimação por arrastados anos, talvez porque o interesse se tenha voltado para as «Festas do Mar» realizadas em data aproximada. 


De 1974 temos estas fotos que nos mostram como foi festejado um dos últimos Carnavais da cidade. Por esta altura ninguém imaginava ainda que se estava a viver os últimos dias do Império... No dia 25 de Abril dar-se-ia  o golpe militar que depôs o regime e instaurou a democracia em Portugal. Um dia vivido cheio de esperança num mundo, alguém mais tarde diria: "penhor seguro do quanto os portugueses andavam enganados".

Eis pois, como decorreu em Moçâmedes este último Carnaval  de que a Avenida  da Praia do Bonfim foi mais uma vez testemunha silenciosa. Desta vez sem as tradicionais "batalhas de cocotes" que enchiam a as ruas cheia de farinha. 

Desta vez eram três grupos carnavalescos representativos de três formas diferentes mas não antagónicas de viver aquela festa, ali a desfilaram pelas vasta Avenida e pela Marginal, mas como se tratasse de um derradeiro encontro de culturas.  Um deles genuinamente europeu, mais requintado e organizado, evocando com a presença de um coche, símbolo do poder real do início do Século XVII, e da cultura europeia de raiz greco-romana, outros tempos e outras gentes, na foto, desfilando junto  do belo edifício da Agência da CNN. de Duarte de Almeida. Outro, uma versão mais abrasileirada, onde  o brilho das sedas e dos setins,  onde as sainhas de folhos e corpetes cingindo os corpos semi-nús  das jovens africanas,  apontava  já para o Carnaval angolano do futuro, saído da fusão  da cultura euro-africana.  O carro da Câmara Municipal de Moçâmedes era um castelo, e nesse castelo podíamos ver algumas funcionarias, entre elas a Ondina Sancadas de Sousa, vestida de "Miss Mar  1973". Os subsídios foram concedidos pela Câmara, Serviço de Turismo, aos diversos grupos.

Ficam mais estas recordações.
NJ
Veja aqui:

Carnaval de rua em Porto Alexandre (Tombwa)















































































Foliões divertem-se num animado Carnaval de rua muito espontâneo, «muito africano», nos finais da década de 50, princípios de 60 em Porto Alexandre (actualmente, Tombwa).
1ª foto:  Igreja
de Porto Alexandre
2ª e 3ª  fotos: Reconheço entre outros, da dt. para a esq.: Albertino Gomes (acordeon), Eduardo, Luisa (turbante), Silvério (a meio, de óculos), Claudete ( colar), John Tavares e Antonieta (pintados de preto).
Em baixo:  Helder e Àlvaro
4ª foto: os irmãos Àlvaro e Eduardo Faustino, Rosa Gancho (2ª à esq.), ? Carvalho e ?
5ª e 6ª fotos: O mesmo Carnaval de rua em Porto Alexandre (Tombwa)

Fotos gentilmente cedidas por Álvaro e Elizabete Faustino 
Para ver mais clicar
AQUI