06 junho 2008

Vila Arriaga (Bibala)







Fotos tiradas em Vila Arriaga - Bibala, onde podemos ver o centro da vila com o tradicional largo  com Coreto, à boa maneira lusa, e a Estação dos Caminhos de Ferro. Na 2ª  e 3ª fotos, a rua principal. Em 1º plano -administração - casa de funcionários -rua principal e comercios - deposito de máquinas dos CFM. Na 4ª foto um conjunto habitacional, e na 5ª, também em Vila Arriaga (Bibala), Ascensão Bacharel junto de um jovem  africano da população "quimbar" de Moçâmedes, e uma rapariga  que parece ser da etnia mucubal, residente na zona, já com o corpo escondido por detrás de panos, sintomas de um certo grau de assimilação da cultura europeia, o que não era muito comum na época  no seio deste povo resistente à integração.






Lista das Estações do CFM
  1. Mossâmedes
  2. QUIPOLA
  3. SACO
  4. RIO GIRAÚL
  5. GIRAÚL
  6. MIRAMAR
  7. CAMPO LIVRE
  8. RAPOZEIRA
  9. MONTEMOR
  10. DOIS IRMÃOS
  11. ele vai
  12. CUTO
  13. Cumieira
  14. relutância
  15. MUNBENGO
  16. ASSUNÇÃO
  17. GARGANTA
  18. maquinaria
  19. VILA ARRIAGA (Bibala)
  20. NUMBIA
  21. TOLUNDO
  22. forragem
  23. QU escritor
  24. SÁ DA BANDEIRA

A Vila Arriaga (Bibala) , povoação pequena, simpática situada no sopé da serra da Chela, a 180 km da cidade capital do distrito de Moçâmedes, actual Namibe,  era na o ponto obrigatório de passagem, para carros e para o comboio quando as gentes de Moçâmedes subiam a serra a caminho de Sá-da-Bandeira/ Lubango. 

Em Vila Arriaga fazia-se uma pausa para refrescar e para ganhar forças ,uma vez que a seguir, parando somente na Humbia, e antes de se chegar ao Lubango, tinha-se pela frente o maciço da Chela...

Embora pertencesse ao Distrito de Moçãmedes, Vila Arriaga (Bibala) fazia fronteira com o distrito da Huíla, hoje Lubango, de cuja cidade (Sá da Bandeira), ficava apenas a cinquenta quilómetros de distância.

Geralmente as pessoas que habitavam Vila Arriaga eram agricultores ou dedicavam-se à pecuária, para alem dos cargos administrativos. Era uma vila pequena, com apenas duas ruas e quatro transversais, mas muito interessante e com uma vida própria muito activa. Tinha uma administração por ser sede de concelho, com as respectivas casas do administrador, do secretário e dos demais funcionários, um posto veterinário com a respectiva residência do médico veterinário.


Sá-da-Bandeirara /Lubango era para nós que vivíamos nas duas cidades mais ao sul de Angola, Moçâmedes e Porto Alexandre o destino mais próximo e natural. Íamos de carro ou de comboio, normalmente por altura das Festas de Nossa Senhora do Monte. Os que iam de comboio, uma vez que levavam quase todo o dia a viajar, levavam farnéis constituidos por sanduíches,  bolos, fruta diversificada, água, laranjadas (made in Moçâmedes, na empresa do Pereira Simões) etc. etc. Sá-da-Bandeira ficava a 200 km de Moçâmedes, mas a viagem era tão demorada que mais parecia que íamos para o fim do mundo. Chamavam aos primeiros comboios o «Camacouve» precisamente devido à morosidade e lentidão do percurso.  Outros diziam que assim se chamava porque acumulava as funções de comboio de passageiros e de mercadorias e, como tal, possuía camas e transportava couves.... Tem alguma lógica!

Ao longo do trajecto  para a Vila Arriaga, avistava-se o Morro Maluco, que umas vezes surgia do lado esquerdo, podia ser avistado de vários ângulos... Ficava a uns 118 km de Moçâmedes (Namibe),
Mais tarde chegou o novos modelo de comboio, e as viagens passaram a ser efectuadas em menos tempo dada a maior rapidez das máquinas, tendo melhorado também a situação em termos de conforto. Foi em 1954, quando da visita a Portugal do Presidente da Repúblical, General Craveiro Lopes a Moçâmedes, que foi inaugurado o primeiro troço de Vila Arriaga (Bibala) até Moçâmedes (Namibe). Mais tarde as obras continuaram até Sá-da-Bandeira/Lubango e em seguida até à Matala, e mais e mais até Serpa Pinto (Menongue), mais ou menos 500 km para o interior. Subia-se para o Lubango através da serra da Chela, a serra por onde subiram a pé, de tipoia ou em carros de puxados por juntas de bois, os primeiros colonos chegados a Moçâmedes no navio «India»,  vindos da Ilha da Madeira, para ali se fixarem e se dedicarem à agricultura. Foram eles que ajudaram a construir  a bela cidade de Sá-da-Bandeira/Lubango.


Clube Desportivo de Vila Arriaga (Bibala), Angola (distrito de Moçâmedes), em 1952

Clicar AQUI para ver Vila Arriaga/Bibala e AQUI (viagem de comboio Moçâmedes/Lubango)

 Transcrevo do blogue de Carlos Cebolo:  "..Para servir a população local e do concelho, havia  no tempo colonial, também, um hospital com as respectivas casas do Médico e do enfermeiro. No centro da Vila situava-se a escola primária, a estação dos caminhos-de-ferro e várias casas destinadas aos seus funcionários, assim como uma oficina para a reparação das máquinas locomotivas; um Clube recreativo e um parque infantil. A linha do caminho-de-ferro dividia praticamente a Vila em dois lados. De ambos os lados da Vila havia várias casas comerciais, quase todas direccionadas ao comércio com os indígenas, mas havia duas que além deste comércio, também estavam preparadas para o comércio Geral.  Destas casas comerciais, a do Cardoso Dias e a do Lauro Gonçalves, talvez a mais importante fosse a casa Lauro Almeida Gonçalves, onde se podia encontrar um pouco de tudo. Tinha o sector agrícola, o sector de mercearia, a parte de roupas e tecidos, retrosaria, relojoaria e ourivesaria, papelaria, sapataria, louças, brinquedos e farmácia. Era na realidade um comércio multifacetado e único na região. Para além deste comércio, a Vila tinha ainda duas pensões e nos últimos tempos talho e peixaria. Todos os habitantes da Vila se conheciam e para além da amizade própria dos europeus e seus descendentes em África, havia também uma sã convivência com os naturais da terra, que fazia desta Vila uma comunidade familiar. O meu tempo de criança, de adolescente e de jovem adulto, foi passado nesse Vila, com excepção do tempo reservado aos estudos que foram passados ou em Moçâmedes (Preparatório) ou no Lubango (Secundário). Logo se vê que esta Vila marcou o meu tempo de juventude. Aos fins-de-semana havia baile no clube. As raparigas iam acompanhadas pelas mães ou a cargo de uma senhora casada que se responsabilizava por elas, era assim naquele tempo. Muito respeito, mas também muito divertimento. Não havia drogas, o álcool era controlado e não passava de umas cervejas; apenas e só o baile com música tocada a gira discos, animava as tardes e as noites. Eram tempos maravilhosos e os namoricos também existiam, mas tudo dentro do respeito da época. Durante as férias grandes, eram assim chamadas as férias de final de ano lectivo, os rapazes da Vila juntavam-se à noite para cumprir com um costume antigo, costume que já vinha dos nossos pais. Íamos ás capoeiras dos nossos próprios pais e “roubávamos” uma galinha para a patuscada nocturna. Juntávamo-nos todos no largo da pecuária e aí fazíamos a fogueira para assar os francos. Os pais no dia seguinte davam por falta das galinhas, mas ninguém levava a mal, pois era um costume antigo. Vila Arriaga era uma Vila pequena mas tão familiar que ainda hoje, passados trinta e poucos anos, posso mencionar os nomes das famílias mais antigas e que deram relevo à Vila. – A Família Adolfo de Oliveira; família António Duarte, família Rocha Pinto; família Cardoso Dias; família Madeiros; Família Simões(Canime); família Bastos; família Lauro Gonçalves; família Guardado; família Basílio; família Zé da Glória, família Alves Primo; família Raimundo; família Morais, família Baptista; família Filipe Cebolo; família Freitas, família Robalo; família João de Sousa; Família Daniel; família Gil do Espírito Santo; família Zé Teixeira, família Aníbal; família Amado; a famosa viúva Alice, famosa por ser avançada de mais para a época, sempre com o espírito jovem, apesar da sua já avançada idade, não faltando a um baile junto da juventude. Para além desta gente, havia outras que embora não fossem residentes permanentes na Vila, por lá passaram e deixaram a sua influência, como a família Amadeu Gonçalves, os Administrativos Sousa Álvaro (Administrador); Fausto Ramos (secretário) Pimentel Teixeira (secretário) Nazaré Gomes (médico) João Simões (funcionário veterinário) Jorge Alves (Chefe de Estação C.F.); Sousa (Chefe de Estação dos C.F.); Sebastião (enfermeiro); Rodrigues (enfermeiro) Os padres Espanhóis (Fidel, Jesus e Zé), Olímpio capataz dos C.F. e o Santos (capataz Geral dos C.F). Enfim, e muitos outros que vieram depois destes, dos quais destaco a família João Rodrigues que veio da Lola, uma povoação vizinha e pertencente ao mesmo concelho, radicando-se em Vila Arriaga. Grande parte deste pessoal já faleceu, mas ainda hoje, os vivos e os descendentes dos falecidos, quando se encontram é como se encontrassem um familiar, tal era a amizade entre as famílias. No mês de Junho dava-se lugar às célebres festas da Vila, em honra dos Santos populares, Stº. António, S. João e S. Pedro, que para além das várias barracas que se montavam com diversas actividades e do indispensável baile diário, também havia as tradicionais fogueiras em honra dos Santos populares. As festas duravam o mês inteiro e todos os dias haviam movimento próprio das festas que aos fins-de-semana era abrilhantado com um conjunto musical contratado para o efeito e com torneios de tiro ao alvo; tiro aos pombos e tiro aos pratos, além do Basquetebol e do futebol é claro. Em minha terra minha gente, não podia deixar de fazer esta retrospectiva saudosista da minha juventude. " Fim de citação

Sem comentários:

Enviar um comentário