19 março 2007

Grupo de «caçadores» a caminho da Serra da Neve, e na região do Iona (distrito de Moçâmedes/actual Namibe),



Interessante foto que nos mostra um grupo de moçamedenses posando para a posteridade ao lado de uma família mucubal, quando iam a caminho da Serra da Neve, no chamado «território mucubal" que  abrangia uma área que se estende pelas encostas da Serra da Chela, entra pelo Deserto do Namibe e chega muito perto do Chiange, serra abaixo. Da esq. para a dt, embaixo: Arménio Jardim, Mário Cruz e? Foto pessoal.

 

 
Arménio Jardim, Mário Cruz, David Proença, Jorge Carrilho e ?

 


Numa viagem destas pelo Deserto do Namibe era muito fácil encontrar-se grupos da etnia mucubal
 

MUCUBAL

Mãe dos pastores,
do deserto solene
a altivez levas em teu plácido rosto.

Vais segura da eternidade,
serena como os bois que guardas,
como ainda os segredos do nonpeke.

Gioconda do Iona
chamar-te-iam os guardiões dos ateliês
se para tanto se despissem de todos os setentrionais atavios
e apenas ao teu pano de toucado se ativessem.

publicado por zé kahango
in blog BIMBE


Dos mucubais tenho viva a ideia de um povo exótico, pastor, nómada, semi-nú, pouco sociável, que não se funde com outras etnias e raças, que se cobre com peles e panos típicos, que afia os dentes, usa a catana, e tem na criação de gado bovino, a sua maior riqueza.  Um povo que vive organizado em kimbos (várias cubatas dispostas em círculo), onde o patriarca mucubal  reúne todas as suas mulheres e a família, uma vez que entre este povo um homem pode ter quantas mulheres quizer (poligamia), todas elas vivendo em harmonia, trabalhando nos campos e tendo o máximo número de filhos para pastarem o gado.  O homem mucubal limita-se à gestão do trabalho e ao prazer. Os herdeiros do mucubal não são os filhos, mas sim os sobrinhos, filhos da irmã, para assim terem a certeza de que os herdeiros são do mesmo sangue. Apesar da poligamia ser usual, o adultério é um crime, porém punível com o pagamento de vários bois ao queixoso.

 
Mulher mucubal solteira. Foto gentilmente cedida por Fernanda Barata.

As mulheres mucubal, enquanto solteiras, andavam nuas da cintura para cima, seios ao léu, apenas tapadas por colares e pulseiras untados com esterco de boi, e um pano curto amarrado à cintura a fazer de saia
 
Mulher mucubal casada e mãe.  Foto tirada da década de 1950  na zona do Caraculo e gentilmente cedida por Fernanda Barata.


Outros Donos d'África


Seminus...
ricos de bois
de peles se cobrem...

Em seu passo rápido
as encostas da Chela
descem e sobem...

Os donos do Namibe!!!!

Povo d'antepassados
guerreiros e pastores
de típicos panos coloridos

pouco expostos à convivência
sem fronteiras...
viventes demais isolados

Os senhores do Deserto!!

portadores de cultura e arte
gestores de trabalho e prazer...
seus tempos... os mais preferidos

Marcados do espírito africano
tribo d'excelência...
percebidos e não entendidos

Os Mucubais!!!

Aileda in Mazungue


Mulher mucubal casada e mãe.  Foto gentilmente cedida por Fernanda Barata, tirada da década de 1950  na zona do Caraculo


Casadas e mães, as mulheres mucubal costumavam  amarrar os seios com tiras finas de couro (fios) até os espalmarem. Os homens mucubal cobriam-se apenas com peles, panos típicos e não dispensam a catana. O Soba é o chefe, uma espécie de patriarca, juiz e representante junto das entidades oficiais.A sua grande riqueza são os bois e são conhecidos por roubar gado às tribos em seu redor.


Em Angola existem dezenas de tribos e dialectos, e, apesar da guerra ter originado muitas movimentações e descaracterização, existem tribos que nunca abandonaram os seus territórios. O Sul é típico. Na Huíla habitam os Mumuilas e os Nhanheca Humbe. No Cunene podemos encontrar os Cuanhamas. Muitos dos costumes e organização social são idênticos. Video AQUI


 

Prosseguindo viagem a caminho do Iona: Arménio Jardim, Briguidé e David Proença

Na Lagoa
Paragem para uma pequena refeição...
Os irmãos Guilherme e Laurentino Jardim junto da então chamada "gruta do Turra"

Junto da Gruta

Fotos do meu album

Pelo interesse e relevo neste tópico, transcrevo um trecho do "Contacto de Culturas no Congo Português - Achegas Para o Seu Estudo", do Dr. Manuel Alfredo de Morais Martins, Edição do Ministério do Ultramar - Junta de Investigações do Ultramar - Centro de Estudos Políticos e Sociais, publicado Lisboa em em 1958, e relacionado com os povos do Antigo Reino do Congo:

«A família conjugal era poligínica, em que todo o homem possuía as mulheres que queria e podia adquirir. A residência familiar não era una. Cada chefe de família possuía um grupo de palhotas nas imediações da sua própria, e cada uma delas era destinada a cada uma das mulheres (e seus filhos). Entre as esposas havia duas categorias: as escravas que tinham sido compradas, e sobre as quais o marido tinha direitos absolutos, a ponto de serem sacrificadas quando da sua morte, para continuarem a servi-lo na outra vida, e as livres, cedidas por empréstimo, por assim dizer, mediante o pagamento de uma indemnização. Este conjunto era e é denominado lumbu. (...)

Se bem que todas as mulheres livres tivessem os mesmos direitos e obrigações, havia entre elas uma preferida, quase sempre a primeira, que servia de conselheira (...)

O marido pernoitava com cada uma das mulheres segundo uma escala estabelecida. Cada mulher habitava com os seus filhos mais pequenos na sua própria cubata e aí tinha os seus bens próprios e preparava a alimentação para si e seus filhos e também para o marido, quando lhe chegava a vez. à mulher competia o fornecimento dos géneros agrícolas e ao homem o do sal e da carne. (...)

A economia da família conjugal estava também regulada. Cabia ao homem a escolha do local para as lavras e a sua divisão em tantos campos independentes quantas as mulheres e mais um, destinado a ele próprio, no qual trabalhavam todas as mulheres. O serviço do marido na agricultura resumia-se à derruba das árvores, na qual era muitas vezes ajudado por outros homens, em sistema de cooperação (...) »


Sobre os povos de Angola, clicar AQUI
http://www.nossoskimbos.net/Etnografia/Povos/index.htm 
Slideshow povos do sul de Angola 
Slideshow Deserto do Namibe
Blog: Memórias de um caçador
Mucubal, in Rui Carvalho AQUI