12 novembro 2008

Inauguração do novo edifício do Grémio dos Industriais de Pesca de Moçâmedes (1957)



 

O novo e moderno edifício-sede do Grémio dos Industriais de Pesca e seus Derivados do Distrito de Moçâmedes, sito na Avenida da Praia do Bonfim em Moçâmedes, inaugurado em 24.05.1957.  O antigo edifício ficava situado na Rua dos Pescadores, com frente para a Praça Leal. Era era um edifício nobre de traça oitocentista e frontão triangular centralizado no alçado principal como era comum na época em edifícios públicos, e folgo em saber, que foi recentemente recuperado. 

 

A inauguração  deste edificio aconteceu com a presença do Governador Geral de Angola, Horácio José de Sá Viana Rebelo que se deslocara a Moçâmedes para presidir a varias cerimónias tais como a  inauguração do 1º troço do cais da cidade e a inauguracao do novo estadio do Benfica. Nesta foto o Governador Geral acabara de entrar no novo edifício-sede, para o acto de descerramento da placa comemorativa da sua inauguração. Presentes, para além do Governador Geral, o Governador do Distrito de Moçâmedes, Vasco Nunes da Ponte (2ª foto, à dt.), o Bispo da Diocese ( a entidade religiosa estava sempre presente a este tipo de inaugurações), elementos representativos das «forças vivas» da cidade, industriais de pesca do distrito, funcionários e convidados.

 
No hall de entrada, aguardando o momento do acto solene. Reconhece-se, à dt., o Dr. Álvaro Barreto de Lara, advogado e notário em Moçâmedes, o Bispo da Diocese, o locutor do RCM, António José de Carvalho Minas e Oliveira (Maboque). Ao centro conversando com duas senhoras, Lourdino Tendinha (presidente do Grémio) e o industrial João Thomás da Fonseca. À esq., Raul Radich Júnior (vice-presidente da Câmara Municipal de Moçâmedes), Mário Guedes da Silva e Rui Duarte de Mendonça Torres. 

 

Reconhecem-se tambem,  na foto imediatramente acima, entre outros, da esq. para a dt: Artur Homem da Trindade, Norberto Edgar de Almeida (func.), Carlos Manuel Guedes Lisboa, (func.) João Carlos Guedes Lisboa e Carlos Vieira Calão (func.).

 

Lourdino Fernandes Tendinha, Presidente do Grémio (à esq.), João Thomás Senna da Fonseca (Director-tesoureiro), Isaías Gusmão Fradinho Graça (Director), o Governador Geral de Angola Horácio de Sá Viana Rebelo, Albérico Sampaio Nunes, Director (de óculos, à dt.) e Vasco Nunes da Ponte, o Governador do Distrito (à dt.)

 

 

Lourdino Fernandes Tendinha (Presidente do Grémio dos Industriais de Pesca e seus Derivados do Distrito de Moçâmedes) lendo o discurso ao Governador Geral de Angola que na mesa de honra se encontra ladeado pelo juiz da Comarca e o Governador do Distrito de Moçâmedes, Vasco Nunes da Ponte. Atrás, António José de Carvalho Minas, faz a transmissão do evento através do Rádio Clube de Moçâmedes.



 O Governador Geral de Angola discursando no salão nobre do Grémio. À esq., de pe,  o Presidente do Grémio. Lourdino Fernandes Tendinha. Por detrás, António José de Carvalho Minas, faz a transmissão do evento através do Rádio Clube de Moçâmedes.



O Governador Geral de Angola discursando no salão nobre do Grémio, ladeado, à esq. pelo juiz da Comarca e por Lourdino Tendinha, e à dt. (na foto) pelo governador Nunes da Ponte e uma entidade do Governo. De pé, Rui Bauleth de Almeida, comentador do Rádio Clube de Moçâmedes e o ajudante de campo do Governador Geral.

À cerimónia da inauguração seguiu-se um «beberete» no salão nobre do mesmo edifício em que estiveram presentes, para além das entidades acima descritas, dirigentes do Grémio, elementos representativos das forças vivas da cidade, associados ligados à Indústria da Pesca de todo o distrito, muitas senhoras da elite moçamedense, e alguns funcionários reformados e no activo, etc. 
 

Em representação dos industriais de pesca, João Martins Pereira e Anibal Nunes de Almeida que aqui vemos acompanhados das respectivas esposas, Noémia Bagarrão Pereira e Julia Rosa Almeida. A esq, o funcionario do Gremio, Fernando França Galvão.



A galeria dos «velhos pescadores», no edifício do Grémio dos Industriais de Pesca de Moçâmedes .


Seguem alguns nomes de diversas pessoas que estiveram presentes nesta cerimónia que não se encontram representadas nas fotos acima:

Representantes das «forças vivas da cidade»: Mário Moreira de Almeida (Médico e Presidente da Câmara Municipal de Moçâmedes), Raul Radich Junior (Vice-Presidente da Câmara Minicipal de Moçâmedes),
Rui Duarte de Mendonça Torres, Abílio Gomes da Silva e Virgilio Carvalho de Oliveira (vereadores da mesma Câmara Municipal), Urbulo Antunes da Cunha (Presidente da Associação Comercial), Manuel João Tenreiro Carneiro (Advogado), João Martins Pereira (industrial de pesca e agricultura), Álvaro Barreto de Lara (advogado e notário), etc.

Industriais de Pesca associados do Grémio, reformados e no activo, entre os quais Aníbal Nunes de Almeida (industrial de pesca), João Martins Pereira (industrial de pesca e agricultor)...
lista em acrescentamento...
.................
fotos relacionadas AQUI
.............................

O Grémio da Indústria da Pesca e seus derivados do Distrito de Moçâmedes  foi criado a 1 de Maio de 1949 por imposição legal,na vigência do Governador-Geral de Angola, José Agapito da Silva Carvalho, tomando o lugar do Sindicato da Pesca de Moçâmedes.


Primitivas nstalações do Sindicato dos Industriais de Pesca do Distrito de Moçâmedes,  na Rua dos Pescadores, zona junto da Praça Leal ou Praça de Táxis. Inicio dos anos 1950  Trata-se de um belo edifício de traça oitocentista e frontão triangular centralizado no alçado principal, como era comum na época em edifícios públicos. Folgo em saber que foi recentemente recuperado, como parece estar a ser recuperada a cidade do Namibe. Bem haja!


Sindicato dos Industrias de Pesca: funcionários na década de 50

Da esq. para a dt.
Em cima: Januário Tendinha (pai), Marques, Lili Coquenão Lemos, Etelvina Leitão, Lourdes Gomes, Fragata, Caeiro, Morgado, José Assis de Almeida e Alberto Silva. Embaixo: Carlos Manuel Guedes Lisboa (Lolita), Gouveia, Humberto Pinho Gomes, Américo Rodrigues (Leiria) e Fernando França Galvão.
 



O primeiro a ser criado foi o  Sindicato da Pesca de Moçâmedes... E só depois, com a sua extinção surgiu, para o substituir o Grémio Grémio dos Industriais de Pesca de Moçâmedes


O Sindicato da Pesca de Moçâmedes (de início designado Sindicato de Pesca e Comércio de Moçâmedes, foi criado em 1930, e teve a sua origem na grande crise da indústria de pesca em 1929 (1), que afectou grandemente Moçâmedes, com o fim de organizar a indústria de peixe seco e, posteriormente, a indústria de de farinhas e óleos de peixe, tendo concorrido decisivamente para a  construção das primeiras fábricas destinadas à transformação de peixe em farinha e óleo, protegendo ao mesmo tempo os pequenos industriais de pesca que até àquela data vegetavam ao sabor dos interesses de aventureiros e oportunistas. Até então, conforme apontamento histórico "Pescas em Portugal-Ultramar", de António Martins Mendes (Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa), trabalhava-se em "autênticas fabriquetas, sem um mínimo de condições, em concorrência com outras instalações modelares (para a época, naturalmente). O problema foi que elas permaneceram activas durante várias dezenas de anos, prejudicando a qualidade das farinhas de peixe angolanas"

Nunca é demais recordar a importante organização que foi o Sindicato da Pesca de Moçâmedes criado em 1930 com a designação de Sindicato da Industria e Comércio de Peixe como seu 1º Presidente o Dr. Torres Garcia.

Conheci por dentro as instalações deste Sindicato situadas no Bairro da Torre do Tombo, em Moçâmedes, e posso acrescentar que este Sindicato, cuja função primeira era a de comercializar e dar escoamento aos produtos pescados e transformados pelos industriais em todo o distrito, designadamente peixe seco, farinhas e óleos de peixe, era um organismo de tal ordem que, paralelamente, dispensava aos seus associados, familiares, e a todos os trabalhadores envolvidos na indústria de pesca, de origem portuguesa e de origem africana, livres e contratados, funções de assistência social de suma importância. Para o efeito, este Sindicato era detentor de um Hospital em Porto-Alexandre e de um posto médico com consultório e enfermaria em Moçâmedes, ambos munidos das respectivas farmácias onde se podia facilmente beneficiar de assistência médica e medicamentosa e de cuidados de enfermagem. Este Sindicato possuia ainda um sistema de seguros de conta própria que facilitava grandemente a vida aos pescadores e industriais.

Quanto ao conjunto das instalações, o amplo complexo do Sindicato da Pesca de Moçâmedes situado na Torre do Tombo, estendia-se desde a então denominada Rua da Colónia Piscatória (assim se chamava a rua que dava acesso à subida para a Praia Amélia) até à praia, e englobava uma enorme extensão de armazéns e um conjunto de pequenas casas enfileiradas destinadas ao pessoal contratado, para além de duas habitações destinadas a funcionários (onde habitaram durante muito tempo João Gomes e Alberto Ferreira da Silva), das pontes, telheiros, giraus, etc., etc.

Era nesses armazéns que os industriais de pesca da terra entregavam, avulso, o produto do seu pescado depois de seco e preparado, se procedia à selecção do mesmo, pesava e preparava os fardos ou «malas» de peixe para a venda e exportação. Era desses armazéns, servidos por uma grande ponte coberta, a maior ponte de cais da época na baía de Moçâmedes, que saia a mercadoria em embarcações que faziam a cabotagem ao longo de toda a costa até ao Congo, onde era descarregada para ser posteriormente dirigida para o interior. Cada qualidade de pescado tinha o seu preço, a corvina e o cachucho por exemplo, eram mais valorizados que o carapau ou a cavala, e por tal o peixe era seleccionado e emalado em separado, consoante a sua qualidade/preço. 

Na altura da exportação, o Sindicato recebia a visita da inspecção dos serviços Veterinários, uma vez que o produto a exportar era obrigatoriamente acompanhado de certificados de sanidade passados por aqueles Serviços que na década de 50 se encontrava sob a responsabilidade do Dr. Elias Trigo, o seu Director. A inspecção era obrigatória uma vez que os peixes gordos tendiam a criar ranço e a saponificarem devido às condições climáticas. Mais tarde quando surgiram as farinhas e óleos de peixe estes eram sujeitos a determinados parâmetros organolépticos e eram, para tal, objecto de análise laboratorial, sendo neste caso, os funcionários daqueles serviços que se deslocavam às pescarias. Quanto ao pagamento aos industriais do valor das entregas do pescado pelo Sindicato, este possuía fundos próprios que permitiam o seu adiantamento, e tudo fluía com rapidez e eficiência uma vez que a mercadoria também escoava com a mesma rapidez e eficiência para os seus destinatários.

Cabia também ao Sindicato a função de angariamento de pessoal contratado para que as pescarias pudessem funcionar, uma vez que o distrito de Moçâmedes sempre fora a esse nível carente de mão de obra . Moçâmedes talvez fosse o único ponto de Angola em que a população africana local, constituída essencialmente por «quimbares» era minoritária com relação à população de origem europeia, daí socorrerem-se da mão de obra de "contratados" a tempo certo (2 anos), findos os quais regressavam a sua casas.

A importância deste Sindicato foi de tal ordem que as suas estruturas iniciais foram aproveitadas pelo Grémio e mantiveram-se inalteradas no essencial até 1975, data que marca o ano da independência de Angola e o êxodo dos portugueses, incluindo o dos industriais seus associados.


Segundo o apontamento histórico «Pescas em Portugal-Ultramar», de António Martins Mendes (Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa), que melhor esclarece a evolução destes organismos, bem como as modificações que, por via dos mesmos se foram verificando na industria de pesca do distrito de Moçâmedes: (Texto completo AQUI)


"...Nos seus relatórios Carlos Carneiro descreveu os vários aparelhos e métodos de pesca que estavam sendo usados, acompanhando-os por um estudo crítico das explorações e das indústrias transformadoras existentes. Entregues a si próprios, trabalhando num campo em que era fácil conseguir lucros avultados com um mínimo de investimentos, dada a abundância da matéria- prima a explorar, não nos admira que Carlos Carneiro refira

"... O problema da qualidade do sal, tão fundamental para a boa conservação do peixe continuava por resolver, como continuava aguardando solução a secagem do pescado salgado, especialmente quanto às espécies gordas. Continuava-se a usar o sistema dos “giraus” mal situados ou desabrigados que facilitavam a conspurcação com as areias levadas pelos ventos. Naturalmente refere-se à desactualização da legislação aplicável ao sector. Não se tinha em consideração a utilização do peixe salgado/seco na alimentação humana, nem as na-urais exigências dos mercados consumidores, nem os centros de concorrência que já existiam. A legislação não se harmonizava com as necessidades da industria nem com as exigências dos mercados importadores. As autoridades centrais ignoravam que: “O problema de Angola é um problema de exportação”.

Carlos Carneiro, optimista, chegava a afirmar: “É inesgotável a fauna marítima da costa” o que infelizmente não era verdade. Seria inesgotável se houvesse uma gestão dos recursos piscatórios, que não havia, nem haveria tão cedo em Portugal ou no Ultramar Português. Pescavam-se por vezes grandes quantidades de pescado condenadas à destruição, por não existirem meios de conservação adequados, ou mesmo por outros motivos, como ainda acontece nos nossos dias, apesar das limitações das mais variadas ordens que actualmente existem para a conservação dos recursos naturais e da sua exploração racional.

"... Como sub-produtos do pescado fabricava-se: óleo e farinha de peixe, mas utilizando métodos absolutamente primitivos ou arcaicos. Então, surgiu em 1931 o Diploma Legislativo nº 283 (BOA, 1963) cuja introdução reconhecia mais uma vez, que a industria da pesca era um importante valor na economia da Colónia pois em 1930 o valor dos produtos derivados da pesca fora de 122 mil libras. O grosso das exportações era constituído por peixe seco, seguido depois pelo peixe em conserva, óleo de peixe, peixe em salmoura e outros produtos – ovas, peles e guano de peixes; na nota introdutória afirmava-se no documento referido ter havido, contudo, uma sensível desvalorização dos produtos da industria da pesca que o legislador atribuia à falta de selecção do pescado, ao descuido na preparação do produto - sobretudo quanto ao peixe seco, às defeituosas e heterogéneas embalagens, ao desconhecimento dos mercados consumidores, à desorganização dos produtores e tudo isso aliado a uma concorrência desordenada. Como medidas para inverter a situação preconizava-se: a) uma permanente e rigorosa fiscalização sanitária e comercial e b) agremiação da produção, comércio e exportação.
 
Pelo art. 1º do diploma eram criadas “... instituições profissionais sob a forma de sindicatos que abranjam a produção, industria e comércio de peixe e seus derivados, com a designação de “Sindicatos da Industria e Comércio de Peixe”. 

O mesmo Diploma criava em Luanda um “Conselho Especial de Consulta e Parecer, formado pelos: Directores dos Serviços Adu- aneiros, Pecuários e de Agricultura e Comércio, pelo Chefe da Repartição de Industria e Minas e pelo Chefe do Departamento Marítimo, onde baixarão todos os processos que respeitem aos Sindicatos de Industria e Comércio de Peixe e pelo qual transitam os recursos e propostas dos mesmos Sindicatos”. O Art.14º estabelecia que – “A fiscalização sanitária do peixe e derivados cabe, como estiver garantido e regulamentado, aos delegados de sanidade pecuária ou entidades que legalmente os substituam. Seguiam-se vários Artigos relativos à fiscalização sanitária e aos valores das taxas de fiscalização que deveriam ser cobradas pelos médi- cos-veterinários delegados de sanidade pecuária. Nesse mesmo ano os Serviços Veterinários publicaram um folheto de divulgação do colega Isidoro Martins dos Santos sob o título: “Sumárias instruções para secagem, defumação e congelação de peixes, com indicações sobre a legislação e conservação do mesmo produto” que rapidamente se esgotou (Santos, 1931).


Ao abrigo do Diploma Legislativo referido (BOA, 1931) organizaram-se os Sindicatos de Pesca de Moçâmedes e de Benguela e aprovaram-se os Estatutos respectivos, parecendo que tudo estaria resolvido de acordo com a orientação dada pelo diploma referido. Mas como a sindicalização não era obrigatória formou-se um grupo “auto-intitulado dissidente”, com algum poder económico, que procurou por todos os meios destruir os efeitos que se tinham em vista. Geraram-se assim dois grupos de industriais/ /exportadores que se guerreavam entre si (Sequeira, 1937) criando situações muito complicadas, com acumulação de dívidas, ac- ções em tribunais, etc. e o Conselho Especial de Consulta e Parecer, que o Diploma previa, transformou-se num tribunal de pequenos delitos, originando-se uma situação absolutamente insustentável com exportações arbitrárias, sem qualquer espécie de controlo. O desacordo entre o governo e o grupo dissidente acentuou-se até que os Sindicatos foram dissolvidos criando-se a Federação dos Sindicatos de Pesca. Então numa manobra de envolvimento económico os industriais/exportadores tomaram o controlo dos sindicatos e continuaram a exportar para o Congo. Foi quando o Governo Geral resolveu actuar decisivamente demitindo a direcção do Sindicato e nomeando em seu lugar uma Comissão Administrativa, presidida pelo Dr. Carlos Carneiro, que encontrou situações económicas gravíssimas que foram sendo pouco a pouco resolvidas por arranjos directos entre a Comissão e os devedores e credores do Sindicato, conseguindo-se normalizar a situação económica existente e beneficiar a grande massa dos pescadores e dos associados dos Sindicatos (Sequeira, 1937).

A partir desse momento entrou-se naquilo que se poderia considerar normalidade quanto à qualidade do pescado salgado/seco e do aumento sempre crescente da produção do produto refrigerado e congelado.»




Os primeiros ensaios de transformação do peixe em farinha

 

Sobre a indústria de farinha de peixe, o mesmo apontamento histórico «Pescas em Portugal-Ultramar», de António Martins Mendes (Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa) avança:


 ...«Como surgiu e se desenvolveu a indústria da pesca em Angola já o descrevemos. Além disso existia uma longa tradição de pescas e de pescadores em Portugal, mas como teria surgido a produção da farinha de peixe? Mais uma vez vou referir Carlos Carneiro pois é ele que no seu livro “O Mar de Angola” (Carneiro, 1949) escreveu, sob o título: “E assim nasceu, em Angola, a indústria de farinhas de peixe”. Vejamos portanto: 

"...Em 1929 a indústria de pesca no sul de Angola atravessava a pior das crises. A produção de peixe seco era enormemente superior ao consumo”. O preço aviltava- se... “abandonavam-se na praia ou lançavam-se ao mar centenas de toneladas de peixe que apodrecia em armazém”. Nesse tenebroso período, um alemão, gerente da casa Weermonn, Brock & C.ª, em Moçâmedes solicitou-me autorização para exportar, para Hamburgo, peixe seco sem sal e com cabeça, para fins industriais”. “Como nada havia legislado sobre o assunto, autorizei a exportação... Mas o fim a que ele se destinava espicaçou-me a curiosidade”. Solicitei informações ao Departamento Científico e Técnico de Pescas Marítimas de França e recebi vagas notícias sobre a utilização desses peixes na alimentação de animais, depois de beneficiados e farinados. Por essa época uma comissão de médicos veterinários elaborava o Regulamento Geral de Sanidade Pecuária e Industria Animal em Luanda e solicitava-me elementos para estabelecer doutrina sobre a fiscalização sanitária do peixe e seus sub-produtos. Assim aparece publicado e mantém-se em vigor, o “art. 134º: Fica autorizada a escala de peixe com cabeça e sem sal quando destinada a fins industriais” (Carneiro, 1949). Entretanto, com a preciosa colaboração do meu saudoso amigo Dr. Torres Garcia faço os primeiros ensaios de transformação do peixe em farinha. Sem maquinaria própria e sem ciência certa as primeiras amostras enviadas para a Alemanha não agradaram, como tanto era de desejar. Mas as indicações que de lá vieram permitiram produzir-se melhor e, em pouco tempo, o mercado germânico estava aberto a toda a farinha de peixe que Angola fabricasse. E assim se começaram a construir as primeiras instalações fabris e se adquiriram as primeiras fábricas para a transformação de peixe em farinha e óleo.

Hoje, a costa de Angola tem ao serviço desta riquíssima indústria, 4 grandes fábricas e cerca de 60 fabriquetas que estão laborando, anualmente, largas centenas de toneladas de farinha de peixe...”(Carneiro, 1949). A Carlos Carneiro sucedeu outro colega Dr. João Elias, a partir de 1938, provavelmente com ele estagiando e aprendendo, pois iria depois permanecer à frente dessa Delegação durante mais de 20 anos de inteira dedicação aos assuntos relacionados com o pes- cado: acompanhando, corrigindo, incentivando a in- dústria da Pesca e as dela derivadas, como nos dá nota em excelente trabalho que intitula: “Tese...etc.”(Elias, 1955). Uma vez remodelados e saneadas as dificulda- des económicas é ele quem afirma nesta mesma citação: A indústria, disciplinada pelo Sindicato, caminha firme até que o Governador-Geral José Agapito da Silva Carvalho criou os grémios dos industriais da pesca e seus derivados, pelo Diploma Legislativo nº 6 697 e respectiva Federação em Luanda.


O grémio dispunha de armazéns privativos para peixe seco em Porto Alexandre e em Moçâmedes que recebiam diariamente esse produto – submetendo-o à Inspecção Sanitária do Delegado de Sanidade Pecuária e seus agentes e dispondo de um bem apetrechado Laboratório Regional dos Serviços Veterinários e da Indústria Animal. 

Mas outros trabalhos do colega Elias merecem citação e es- tão publicados nos Anais dos Serviços de Veterinária e Industria Animal de Angola (Carneiro, 1943; Carneiro, s/a, Carneiro, 1955b).Sobre a criação do Instituto das Industrias de Pesca de Angola refere o mesmo apontamento :


«Em 18 de Agosto de 1960, o Decreto nº 43 123 (DG, 1960) diz: tendo presente a importância que as indústrias de pesca têm na economia da província de Angola e a necessidade de se proceder à sua coordenação; considerando a conveniência de que o exercício daquelas actividades em todo o ciclo de extracção e de trans- formação seja apoiado por uma estrutura económica e financeira que lhe proporcione os meios para melhor enfrentar as flutuações dos mercados externos; etc., etc. Artigo 1º - É criado o Instituto das Industrias de Pesca de Angola. Tinha a sede em Luanda (DG, 1960), junto do governo, mas distante das zonas de produção. Depois definiam-se os seus objectivos que seriam: orientar e fiscalizar a produção do pescado, a sua trans- formação e o comércio dos produtos fabricados; coordenar as indústrias de pesca e de transformação afins e, como não podia deixar de ser... desenvolver o espírito corporativo. O mesmo Decreto obrigava à revisão dos estatutos dos grémios e ao saneamento das respectivas situações financeiras, o que veio a suceder pela Porta- ria nº 14 254, de 12 de Março de 1966, que aprovava os Estatutos dos Grémios dos Industriais de Pesca de Angola (BOA, 1966). Julgo que o 1º director do Instituto das Pescas foi o Dr. João Benard da Costa Pereira, economista, vogal da comissão administrativa dos Grémios dos Industriais de Pesca (BOA, 1962) junto do Grémio de Benguela, sendo seu director adjunto o Dr. Agílio Leonardo Teixeira de Sousa e Andrade, licenciado em Ciências Ma- temáticas. Das consultas que fiz sobre estes primeiros tempos de vida do novo Organismo pareceu-me que a sua implantação e desenvolvimento foram lentos, fixando e cobrando receitas próprias, reorganizando as estruturas existentes, desenvolvendo uma intensa fiscaização junto dos industriais e exportadores, saneando enfim, as dificuldades económicas de uma estrutura ultrapassada, caduca, macrocéfala e incapaz de solucionar os problemas do sector. Mais tarde o director que se seguiu, capitão – tenente Luiz Gonzaga Reis recebeu um Serviço liberto de dificuldades económicas, de tal modo que em 1969 as receitas próprias do Instituto das Pescas de Angola atingiam a cifra de 22 571 000$00 no orçamento geral da Província (BOA, 1969) mas volte mos um pouco atrás. A sua orgânica previa também, talvez num plano secundário, a investigação e o primeiro investigador do Instituto foi o nosso colega Alberto Barreiros Saraiva da Costa -primeiramente como interino e depois ocupando o lugar do quadro (BOA, 1964; BOA, 1965), em comissão ordinária de serviço. Mais tarde, em 1968, um outro colega foi contratado como 2º Assistente – o Dr. Manuel Biker de Castro Pi- mentel (BOA, 1968). Ainda mais tarde, em 1973 foi contratado também como Investigador o Doutor Manuel Alfredo Teixeira Coelho. »


(1) A origem desta crise, de acordo com o apontamento histórico «Pescas em Portugal-Ultramar», de António Martins Mendes (Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa), ficou a dever-se «à desvalorização dos produtos atribuída à falta de selecção do pescado, ao descuido na preparação do produto - sobretudo quanto ao peixe seco, às defeituosas e heterogéneas embalagens, ao desconhecimento dos mercados consumidores, à desorganização dos produtores e tudo isso aliado a uma concorrência desordenada.»


Acrescente-se a este conjunto de memórias que:
 
- Em Moçâmedes, a criação do Instituto da Pesca levou consigo parte dos antigos funcionários do Grémio dos Industriais de Pesca, enquanto outros, saíram para trabalhar em Bancos, etc. Na altura da transição foi nomeado pelo Instituto da Pesca de Angola para director do Instituto da Pesca de Moçâmedes, o moçamedense Carlos Manuel Guedes Lisboa, industrial de pesca e funcionário do extinto Grémio da Pesca.

- Em vésperas da Independência de Angola (1974),, finalmente, o Grémio dos Industriais de Pesca de Moçâmedes exibia já 86 sócios incritos dedicados à industria da pesca, sendo a seguinte a relação em 31/12/74, conforme vem descrito no livro de Carlos Cristão «Memórias da Angra do Negro - Moçâmedes - Namibe (Angola), desde a ocupação efecriva, Lx 2005:


 

A Industrial, Lda. (Porto Alexandre)
A Industrial do Canjeque, Lda. (Moçâmedes / Canjeque)
A Industrial Conserveira do Sul, Lda. (Porto Alexandre)
A Industrial de Moçâmedes, Lda. (Moçâmedes)
A Mariquita, Ind. Lda. (Moçâmedes)
Leque & Coimbra, Lda. (Porto Alexandre)
Adérito Augusto Sanches, Lda. (Porto Alexandre)
Agripesca Ind. Lda. (Moçâmedes)
Alvaro Thomás Serra Fernandes (Moçâmedes)
Amadeu Gonçalnes e Neves, Lda. (Moçâmedes)
António Francisco Antunes (Porto Alexandre)
António Francisco Baraca (Herder) (Moçâmedes)
Antunes da Cunha, Lda. (Porto Alexandre)
Associação Industrial de Peixe Seco de Moçâmedes (Moçâmedes)
Barbosa & Santos, Lda. (Porto Alexandre)
Beira Mar, Lda. (Porto Alexandre)
Bento & Irmão, Lda. (Moçâmedes)
Cabrita, Lda. (Baía dos Tigres)
Carmo & Martins, Lda. (Porto Alexandre)
Carvalho Oliveira & Cª (Moçâmedes)
Compª de Pesca Angola, Lda. (Moçâmedes)
Compª Ind. e Com. de Pesca Angola, SARL. (Cipesca-Moçâmedes)
Compª Ind. Produtos do Mar, SARL (Porto Alexandre)
Compª Alexandrense de Produtos de Pesca (Porto Alexandre)
Cooperativa de Produtos do Mar (Porto Alexandre)
Costa & Silva, Lda.
Dafisilva - DA. Figueiras & Silva, Lda. (Moçâmedes)
Dídio Alceu Pimentel Pacheco (Porto Alexandre)
Duarte & Lourenço, Lda. (Porto Alexandre)
Empresa Ind. Farinha e óleo de peixe, Lda. (Porto Alexandre)
Empresa Ind. e Comercial de Pescas, SARL (Moçâmedes)
Empresa Ind. do Pinda. Lda. (Moçâmedes)
Empresa de Pesca do Sul, Lda. (Moçâmedes)
Ferreira & Filhos, Lda. (Moçâmedes)
Francisco Baptista (Porto Alexandre)
herda Dionísio Costa Tavares (Porto Alexandre)
Humberto Sena Tendinha (Porto Alexandre)
Industrial de Peixe Namibe Lda (Luanda)
J. Patrício Correia, Lda (Moçâmedes)
João Duarte Filhos, Lda. (Moçâmedes)
João Thomás da Fonseca & Cª (Moçâmedes)
Joaquim Conceição Camarinha (Moçâmedes)
José Dias Ferreira (Moçâmedes)
José Domingos da Conceição Martins (Porto Alexandre)
José Evangelista Aldeia (Moçâmedes)
José Joaquim Carreiro Correia (Porto Alexandre)
José Venâncio Delgado (Porto Alexandre)
Juventino Ferreira Graça, Lda. (Porto Alexandre)
Mamede sucessor, Lda. (Porto Alexandre)
Manuel Martins Ramos (Porto Alexandre)
Manuel Mendes Mamede, herdades. (Porto Alexandre)
Mário Lino Caldeira (Porto Alexandre)
Marques & Marques, Lda. (Porto Alexandre)
Mercantil Piscativa, Lda. (Porto Alexandre)
Olímpio Mário Aquino, Lda. (Moçâmedes)
Parceria de Pesca, Lda. (Moçâmedes)
Pescaria Algarve, Lda. (Porto Alexandre)
pescaria Namibe, Lda. (Moçâmedes)
Pestana e Carvalho, Lda. (Moçâmedes)
Rogério Napoleão Gonçalves (Porto Alexandre)
Sampaio (Irmãos), Lda. (Porto Alexandre)
Sancho e Arvela, Lda. (Porto Alexandre)
Sociedade Ango-Algarve, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade Armadores das Pescas de Angola, SARL (aranha - Moçâmedes)
Sociedade congelador do Sul, Lda. (Porto Alexandre)
Sociedade de Conservas da luzir, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade de Conservas Sagres, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade Frigo Pesca do Sul, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade Ind. Alexandrense, Lda. (Porto Alexandre)
Sociedade Ind. da Baía dos Tigres, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade Ind. do Cabo Negro, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade Ind. da Vissonga, Lda. (Luzir)
Sociedade de Pesca da luzir, Lda. (Luzir)
Sociedade piscatória dos Tigres, Lda. (Moçâmedes)
Sociedade piscatória do Sul, Lda. (Porto Alexandre)
Sopeixe Ind. SARL. (Porto Alexandre)
Somar, Sociedade de Produtos do Mar, SARL (Moçâmedes)
Sopesca, Sociedade Ang. de pescaria SARL. (Moçâmedes)
Sul Angolana, Lda (Porto Alexandre)
Tendinha & Irmãos, Lda. (Porto Alexandre)
Trocado & Irmãos, Lda. (Porto Alexandre)
Venâncio Guimarães e Compª. (Moçâmedes)
Venâncio Guimarães sobrinha, Lda. (Moçâmedes)
Veríssimo & Irmão, Lda. (Porto Alexandre)
........................
pesquiza e texto de MariaNJardim


As imagens fazem parte de um  album que foi gentilmente oferecido à autora deste blog por Mário António Gomes Guedes da Silva



ANGOLA, PEIXES E PESCADORES

Já te contei a razão pela qual aos fardos de peixe seco lhe chamavam «malas de peixe». Acrescentarei que todas tinham o mesmo aspecto, a mesma forma, dimensões precisas e o peso líquido de 30 quilos. De um modo geral havia grande respeito pela qualidade e apresentação do produto, cuidado que não se notava noutras actividades industriais.

O peixe, sem cabeça, fosse corvina ou carapau, depois de seco e salgado, devia acomodar-se em camadas sobrepostas e em zig-zag simétrico, «cabeça com rabo, rabo com cabeça». Formava blocos compactos que deviam ser atados e contidos em esteiras feitas com fibra grossa de mateba. As malas de peixe ganharam tal popularidade e valor comercial no interior de Angola que, em 1950 e anos seguintes, se transformaram no principal produto de candonga interna do país.

Porque razão se contrabandeava peixe seco ? Simplesmente porque a secagem e o transporte estavam regulados e obedeciam a regras claras estabelecidas pelo Estado e aplicadas pelo Grémio dos Industriais de Pesca. Tudo isto tinha que ver com sanidade e impostos. Quem se desviasse destas regras era considerado marginal e perseguido. Mas o não cumprimento da lei dava lucro fácil e volumoso. Aos industriais e aos candongueiros que entravam no negócio ilegal, o que gerava intrigas, delações e lutas ferozes. Os camiões que transitavam clandestinamente ou seja, com cargas não fiscalizadas, deviam escapar-se a corta mato e tinham os seus caminhos exclusivos que atravessavam a vasta anhara de Benguela. Sobre a areia, as picadas estendiam-se e entrelaçavam num espectacular labirinto, cujas curvas e contra curvas eram dominadas, apenas, por duas categorias de camioneiros, os autenticos «candongueiros» e os «pecadores».

E não era candongueiro quem queria. A própria natureza do delito impunha duras condições. Dinheiro para o negócio, coragem e decisão para enfrentar tanto a polícia como os ladrões que faziam de polícias, boas armas, incondicionais ajudantes ou companheiros de viagem que fossem bons atiradores e, sobretudo, um camião novo, agil e rápido, para evitar encrencas. A partir daqui a mercadoria ou seja o «peixe seco» comprava-se em qualquer pescaria ou salga e havia muitas ao longo da costa, legais ou clandestinas, desde Benguela à Baía dos Tigres e todas dispostas a vender por «dinheiro doce» as malas de peixe que escondiam ou lhes sobravam.

Reconhecidamente, o grande entreposto situava-se na Baía Farta e praias dos arredores, especialmente a Caóta e Caótinha. O negócio era à vista e sempre de noite. Poucos se arriscavam durante o dia. Carregava-se o camião, tapava-se com lonas o melhor que se podia e no acto pagava-se a mercadoria, «cash» e mais barata do que a tabela oficial. Esse era o cerne do negócio, facilmente denunciado pelo cheiro nauseabundo e persistente do peixe seco, que deixava vestígio ou esteira odorífera durante quilómetros, depois da passagem do candongueiro. O cheiro não deixava ocultar a carga aos fiscais que andavam bem armados, ganhavam bem e ainda por cima recebiam metade do valor da multa. Fiscais eram polícias comuns ou guardas fiscais que se passeavam pelas entradas e saidas das cidades principais à caça da multa.

Uma vez em andamento o candongueiro não parava mais e não baixava dos cem quilómetros por hora, escapando-se. Escolhia o caminho como uma lotaria ou inventava novas picadas que só ele conhecia. Se, por acaso, se encontrava com a fiscalização, estavam em risco a carga, o camião e o modo de vida. Velocidade e tiros eram as armas que entravam em jogo. Era um vale tudo. A polícia atirava a matar e de cima dos camiões da candonga, os ajudantes também atiravam a matar.

Dessa guerra e da velocidade dependia a vitória da lei ou a sobrevivência do rico negócio de vender peixe seco na clandestinidade. Contudo, os fiscais não eram o único perigo que o candongueiro enfrentava na estrada. Havia também os falsos fiscais, que eram candongueiros ladrões. Diziam-lhes «pecadores», porque não só assaltavam os transportistas legais, como se encarniçavam sobre os candongueiros «bons», para lhes roubarem as cargas e completarem eles o negócio.

Todas as noites havia, em qualquer lugar do mato e sem testemunhas, estórias fortes de perseguições e roubos e tiros. Se alguém ficava no terreno, os leões ou os mabecos encarregavam-se de limpar o terreno... As malas de peixe e os transportes desapareciam por artes mágicas. Havia as máfias da candonga e as máfias da fiscalização e por vezes, associações das duas máfias. O peixe seco fazia parte obrigatória da ração dos contratados que deviam receber em cada dia uma caneca de fuba e um peixe seco, o salário da fome. A candonga dava resultado porque havia sempre comprador assegurado, o patrão do contratado.


Sebastião Coelho
ver tb
Cronicas do Candimba

Sem comentários:

Enviar um comentário