15 março 2009

Excursão a Roma e Veneza de um grupo de alunas do Colégio de Nossa Senhora de Fátima de Moçâmedes, em 1966

https://mail.google.com/mail/?ui=2&ik=c575f3a8c9&view=att&th=128224059248bd43&attid=0.4&disp=inline&zw




























Excursão a Roma e Veneza de um grupo de alunas do Colégio de Nossa Senhora de Fátima de Moçâmedes, em 1966

1ª e 2
ª fotos
Ainda no navio, à chegada a Lisboa, podendo ver-se ao fundo, a Ponte sobre o Tejo.
Da esquerda para a direita:
Militar amigo, Nélinha Tendinha, ?, Céu Lã (em viagem até Lisboa), Marimília Inácio, Adelina, Paula Amem, Helena Alves de Oliveira (filha de Hemitério Alves de Oliveira), e Matilde Amem. Acrescente-se as irmas Doroteias (1, foto).


3ª foto : No interior de uma gôndola, em Veneza.

Imagine-se a euforia destas jovens, quando saídas do seu pequeno e pacato burgo, se viram projectadas nas concorridas ruas da majestosa Roma, o coração de um Império, que a História nos ensinou, ter sido alicerce daquilo que hoje somos ainda, e numa autêntica cidade museu, onde o belo se impõe a cada esquina, em pedras de magnitude milenares, estátuas magníficas, fachadas lindíssimas, pormenores encantadores, praças, ruas, villas, palácios, museus, catedrais, jardins, recantos, etc, num testemunho sem paralelo do quanto pode e é capaz a genialidade humana. Imagine-se visita à Praça de São Pedro, à Basílica, aos Museus Vaticanos, ( Download ) às Catacumbas, etc., as emoções vividas no encontro com o Papa Paulo VI e ante os magníficos afrescos do fabuloso tecto da Capela Sistina pintados por Michelangelo, e outros grandes artistas como Perugino, Ghirlandaio e Botticelli, entre outros artistas do Renascimento.

Imagine-se e excitação na visita a Veneza (2ª foto),
a bela e misteriosa Veneza, cidade das gôndulas e dos múltiplos canais transformados em ruas e em avenidas. Cidade cujas origens remontam aos tempos da queda do Império Romano e que no século XV foi a mais forte potência marítima do mundo. Cidade das pontes, das igrejas, dos museus, dos palácios ao estilo bizantino e renascentista, de Tintoretto, Ticiano e Tiepolo, das lendas e histórias de amor, das máscaras inspiradas nas tragicomédias, onde se festeja um dos mais turísticos Carnavais do mundo.

Esta seria a viagem que todos os jovens moçamedenses gostariam de fazer, mas que, infelizmente, não era acessível a todos, neste cantinho de África onde a vida, embora nesta altura já não fosse tão difícil como era dantes, não era tão fácil quanto, «romanticamente», se ouve ainda hoje por aí apregoar...


Fotos: Sanzalangola (Teresa Carneiro)

2 comentários:

Rui Moio disse...

Olá

Quem é o jovem da esquerda? Será o Chalupa? O que faleceu com o deflagrar de uma granada no princípio da década de 60?

Antecipadamente grato a quem me esclareça
Rui

Rui Moio disse...

Quem é o jovem da esquerda? Será o Chalupa? O que faleceu com o deflagrar de uma granada no princípio da década de 60?

Antecipadamente grato a quem me esclareça

Enviar um comentário