24 abril 2007

Porto Alexandre (actual Tombwa)










































































































1ª e 2ª fotos: Fotos tiradas no decurso de um «porto de honra» oferecido pelo Independente de Porto Alexandre às basquetebolistas do Atlético Clube de Moçâmedes. Na 2ª foto reconheço Julia Jardim,
do Atlético, (sentada à esq.), e Alvaro Faustino, de pé à esq. Na 2ª, reconheç, à dt., Ernestina Coimbra, e ao fundo, a meio, Álvaro Faustino e Armindo Alves.

3ª , 4ª e 5ª fotos: Encontro de basquetebol feminino realizado em Porto Alexandre, entre o Independente daquela cidade (shorts brancos) e o Sport Moçâmedes e Benfica (calções brancos).


4ª foto: Campo de jogos de terra batida do Independente de Porto Alexandre, no largo onde estacionavam os autocarros da carreira de Sousa e Irmão. Foto tirada no decurso de um treino de basquetebol feminino em que participavam as seguintes jogadoras: Bernardete Tavares, Ernestina Coimbra, irmãs Goelas, Rosa Gancho, ...

5ªfoto: Uma pausa para o descanso dos empregados da pescaria CIMAR.


6ªfoto : Este era geralmente o ambiente aos domingos à porta do Flamingo Bar, onde alguns alexandrenses tinham por hábito reunirem-se para um agradável bate-papo... Curioso é o cartaz que se encontra colado na montra do café, onde se lê nitidamente «Vem aí o Varzim», sugerindo uma próxima visita deste clube a Angola e a Porto Alexandre no ano 1966

7ª foto: O bonito Cine Alexandrense e o seu pequeno jardim.
Fotos retiradas de
http://www.sanzalangola.com/

Sobre a 6ª foto, encontrei esta quadra que se adapta no site da ADIMO/poetas moçamedenses, em AROMAS DA MINHA TERRA (5)

No desporto, o Independentezito
Famoso com Estrelas lá do sítio
Conquistaram taças Provinciais
E discutiram até títulos Nacionais


O autor tenta explicar:
(...) Fala do Clube da terra, o Independente Sport Clube, que foi várias vezes campeão de Angola e veio por duas vezes ao Continente Europeu disputar a Taça de Portugal. Uma delas com o União de Tomar e outra com o Benfica (na altura, o Eusébio ainda jogava). O jogador mais habilidoso e que fazia a diferença, de nome Estrela, inspirou-me para o conjunto.

Também encontrei aí numa outra quadra
(7), algo sobre o Flamingo Bar, o Bar que se pode ver na 5ª foto:

Nos “flamingos” dessa terra
Muito líquido se bebericou
O copo que a mão cerra
Nunca das voadoras se livrou

E a seguir a interpretação dada pelo autor:
«.....havia um Bar muito famoso chamado “Flamingo”. Por esta razão, considero no poema, que todas as casas de pasto existentes passam a chamar-se “os flamingos”. Para se beber qualquer líquido tinha que se tapar o copo com a mão para evitar as moscas e a sopa tinha que ser comida o mais rapidamente possível. »



2 comentários:

Anónimo disse...

Facam comentarios em http://gatinhafofa223.blogs.sapo.pt

fbpires disse...

a fotografia nº 5 mostra a casa onde morei, que era na altura a casa do Delegado Marítimo, função exercida pelo meu pai, 1º sargento da Marinha

Enviar um comentário